quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Dedicada a um anjo

Era sexta-feira, pela manhã,
o momento da partida se aproximava,
e uma imagem, perpétua, se formava.

Guardo nos meus olhos uma imagem,
a imagem desta pessoa linda,
deitada em minha perna,
pensativa... longe...
pensando onde foi se meter?,
ou por quê se meteu? ,
mas já era tarde,
ou pelo menos,
já era um pouco tarde agora.
E ela, olhando para fora
pela cortina branca,
semi-transparente,
que esvoaça na brisa suave da manhã,
teimando em querer ficar reta,
tentando não ser vencida pelo vento,
tentando esconder a cidade de cimento frio
que existe lá fora,
ou as montanhas que se formavam
no belo horizonte.
E eu a fico olhando,
olhar o horizonte,
olhando aquele rosto tão bonito,
deitado em minha perna,
tão perto e tão longe,
de uma realidade que não existe,
que não pode existir.
Acaricio seus cabelos,
pensando em quando nos esconderemos de novo
da cidade de cimento,
fria, que existe lá fora.
E eu fico olhando ela olhar o horizonte,
olhando aquele rosto tão angelical,
deitado em minha perna,
pensando em um mundo de fantasias.
Continuo acariciando seus cabelos macios,
tentando aproveitar o máximo a sua presença,
pensando em quando teremos novamente
este prazer efêmero.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

O Amor

O amor não vem feito para nós.
Não vem pronto,
não é só aquecer no microondas
e consumir.
Ele deve ser moldado por nós.
De maneira lenta, branda,
Deixando que o lento fogo da paixão
vá fazendo surgir
todos os seu sabores escondidos.
Depois que o amor está pronto,
e que provamos seu real sabor,
nada mais importa,
todos os outros sabores somem
e só ele prevalece
com total intensidade.
Na boca,
o seu mel é mais doce.
Na pele,
sua suavidade é incomparável.
Nos olhos,
nada é mais belo.
Na mente,
ele ocupa todos os espaços.
No peito,
ele dói,
dói de saudades.


Um brinde a você.

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Meu Coração

Tenho,
do lado direito
de quem entra em meu peito,
uma massa de músculos
que insiste em querer se fazer
dono de tudo.
Ele quer mandar,
só quer mandar em tudo,
não se importa se vai doer.
Ele quer pular,
quer alçar vôos,
cada vez mais altos,
e cair, e ralar, e sangrar,
e não está nem aí
para o que vai acontecer,
“-Dane-se !”, diz ele,
viva e depois nós vemos como fica,
se ralar, depois cura,
se sangrar, depois fecha,
se doer, chora que passa.
E lá vai ele de novo,
como criança,
pulando,
brincando nas estradas
dos sentimentos.
Doce coração infantil
em um peito já velho,
está sofrido,
enfartado de amores,
remendado com pontes
de esperanças,
mas vai,
pulando,
sorrindo,
cantando,
sem jamais perder
a esperança.
E é a alma
que fica chorando
depois das brincadeiras dele.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Esperanças

Me tranço
de versos e prosas,
me enrosco
nas palavras
escritas ao vento.
Tão perdido
neste mundo utópico estamos,
eu e você,
e a quem mais nos segue,
mesmo que de longe.
Um raio de sol
surge todos os dias
por detrás das nuvens
carregadas
de nossos medos.
Tento me lançar
nesta aventura,
navegar por estes mares
antes bravios
e que aparenta calma.
Espero o vento
que me levará na certeza
de novos caminhos.
Não quero remar sozinho,
mais uma vez,
fazer esforço solitário
pra movimentar nosso barco
e sair desta inércia.
Espero o vento benfazejo.
Tenha calma,
ele poderá vir.

domingo, 27 de dezembro de 2009

Nova Vida ?

Um beijo
sela uma nova vida?
Uma atenção,
um carinho,
é preparação suficiente
para todo um novo viver?
Me cobras pressa,
mas não tenho pressa.
Quero pisar em chão firme
e não em areia movediça,
ou ficar a beira de abismos
que podem se abrir
sob meus pés
ao mais leve tremor
das nossas ansiedades.
Me cobras de meus medos,
mas meus medos são reais
e não frutos de algo imaginário.
Eles estão repletos de atitudes,
de tempos idos,
e que não quero voltar
nesta máquina do tempo.
Quero um futuro,
um futuro sólido,
sem medos de erros passados.
Se tiverem que acontecer erros,
que sejam novos erros,
e não os mesmos de sempre.
E as dúvidas continuam
caindo sobre mim,
cada vez em mais quantidade
e você me cobrando pressa,
mas não tenho pressa.

sábado, 26 de dezembro de 2009

Você Chegando

Não te vejo mais
como te via.
Agora te vejo ao longe,
vindo em minha direção.
Cada vez mais rápida,
tentando apressar seus passos
para me alcançar.
Olho de novo,
e já te vejo correr
para mim,
e fico parado, imóvel,
sem nenhuma reação esboçar,
esperando você chegar.
E quando você chegar
talvez eu não saiba
o que fazer.
O teu retorno
pode ser mais confusa
do que sua ida.
Dúvidas?
Estou tropeçando nelas
durante este meu caminhar.
Promessas ouço,
a tua voz o vento trás,
mais rápido do que teu corpo.
E cada vez estás mais perto
de meu corpo
e talvez de minha alma.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Boas Festas.

Aos que aqui sempre vem,
Aos que só estão passando,
Aos que quase tudo lêem,
E aos que passam voando.

Quero um Bom Natal desejar.
Que o verdadeiro espírito se deva lembrar
e nunca deixemos de festejar
Aquele que veio para nos salvar.

Vamos lembrar dos presentes
e tentar ninguém esquecer.
Vamos agradecer ao Presente
E pela vida que temos a viver.

Alimentemos o corpo,
Com bacalhau e pernil.
Alimentemos a alma,
Com orações mil.

Desejo de coração,
Que todos tenham igualdade.
Com verdadeira emoção,
Com Paz, Alegria e Felicidade.

Um bom Natal.
Um Feliz Ano Novo.
Que 2010 seja legal.
Que traga alegrias para o povo.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Sonhos

Por quê tanto sonho,
insiste em insistir,
em sonhar comigo?
Por quê tanto sonho
insiste em zombar
das zombarias de mim?
Deixem-me em paz
meus sonhos.
Preciso de uma trégua,
no corpo e na alma,
não tenho mais condições
de ficar sonhando
enquanto a vida passa.
Enquanto as rugas
marcam minha face.
Meus cabelos
já estão ficando brancos,
cada vez mais brancos,
e embaixo das raízes deles
os sonhos povoam minha mente.
O tempo todo,
voando de lá para cá.
Pousem,
em um canto qualquer
e me deixem repousar
meus sonhos.
Eu preciso de um porto seguro,
de um canto tranqüilo,
para passar
o resto de minha vida.

sábado, 19 de dezembro de 2009

Divagando

Divagar, devagar
Com as divagações
e seguir devagar,
nas divagações.

Conversas sem nexo,
Pensamentos sem reflexos,
Deixam desconexo
Um coração anoréxico.

Precisa sonhar,
Este coração,
Precisa amar,
Sempre com paixão.

Não é o sexo,
Que me deixa disléxico
Neste mundo complexo,
e patético.

É sua falta constante,
O vazio deixado,
Nesta alma errante,
Nesta corpo acabado.

A alma evapora.
A choro desce.
das noites a aurora
só esvaece.

Paro de falar.
Não quero mais pensar.
Queria acabar
Com todo divagar.

Palhaços

Que palhaço sou,
que ri do aço
que lhe fere as costas.
Que personagem sou,
talhado no gelo
mais impuro.
De que sou feito?
Sou feito de panos rotos,
sujos, encardidos
das imundícies do mundo.
Sou humano.
Que ri da desgraça alheia,
mas que não vê o tamanho
da sua própria desgraça.
Que zomba das escaras
que lhe brotam constantemente.
Não tenho mais sangue.
Meu sangue agora é fel.
Meu sofrer não tem tamanho,
deixei de medir.
Deixe que ele cresça
até não se agüentar mais,
e caia,
em uma queda mortal,
sobre tudo e sobre todos.
E todos seremos palhaços,
feridos de morte,
na vida.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Solidão

Solidão,
madrasta debochada,
que zomba de mim,
invisível,
com todas as suas agulhas
a espetar a alma.
Por que não vai dar uma volta?
Descubra outros caminhos.
Olha, tem tanta gente por aí.
Por quê cismas só comigo?
Dá um tempo !
Quero ouvir a canção
e não ter você comigo,
como companhia grudada.
Quero olhar a foto,
da pessoa amada,
e não ter de molhá-la.
Quero não reclamar
mais de você.
Me deixe um pouco em paz.
Tá bom, quer ficar?
Gostou de mim?
Fique.
Mas fique quieta,
não se agite tanto
como criança levada.
Sente num canto
e fique calada,
só um pouco.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

O Vento

Meu amigo vento,
amigo querido,
que me bate toda manhã
no rosto
para lembrar-me
de que estou vivo.
Que me escuta,
e fofoqueiro que é,
leva as minhas palavras
aos quatro cantos.
Este vento, querido,
que pela fresta da janela
lamenta comigo minhas dores,
lamenta comigo meus lamentos,
uiva, como uivos de lobos na noite,
solitários, eu e o vento.
O vento amigo,
que me refresca a sombra,
de uma tarde de verão
é o mesmo que me joga areia nos olhos
para que nada possa ver mais.
Vento amigo, vento querido,
Enfune minha velas,
Faça meu barco de novo navegar
pelos mares bravios do destino.
Descobrindo novas terras,
Com novos sabores,
Com novos amores.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Marcas

Tentei me segurar,
represar minhas palavras,
tentar contê-las
de todas as formas,
para que não mais te magoe
as minhas angústias,
e não consegui.
Só consegui
inundar meu corpo,
transbordar meus sentimentos,
deixar escorrer pelo chão
o que sinto.
Agora, os que passam,
pisam sobre minhas palavras
e sobre meus sentimentos,
cada um levando
um pouquinho deles
na sola dos seus sapatos,
espalhando-os
em todas as direções,
menos na sua.

sábado, 12 de dezembro de 2009

Cura

Estou doente e nem me dei conta, sentia-a me desanimado, sem forças quase para fazer nada do que era necessário.

Estava me entregando ao meu próprio destino final, aos poucos sentia-me esvaziado, um buraco ia surgindo no peito e aumentando a cada novo dia.

Corroendo, sangrando lentamente, tão lentamente que eu mesmo não me dava conta do que acontecia.

Um dia, sem que eu esperasse, passei mal e fui levado para um hospital.

Eu nem sentia muito bem o meu corpo, parecia meio que anestesiado.

Estava muito sonolento e nada via direito.

Quando um médico, todo de branco, se aproximou, pegou meu braço, me olhou nos olhos e disse:

“- Calma, isto tudo vai passar.”

Depois ele me injetou uma droga, desconhecida para mim, se já fiz uso dela nem me lembrava mais.

Ao terminar a injeção da tal droga, senti um pequeno estímulo, mas eu estava tão enfraquecido, tão longe de mim, que o efeito foi passageiro.

Tentei ver seu nome, mas a vista embaralhada pela minha fraqueza nem me deixava raciocinar direito, o pequeno efeito estimulante desta droga não me permitia distinguir quase nada, era algo como roma, ramo, mora, maro, arom, oram, eu não conseguir ver as letras direito.

Pedi ao médico, que me aplicasse outra dose, mas ele disse que as doses seriam diárias e pequenas para fazer com que meu corpo se acostumasse com a tal droga e que pudesse absorver aos poucos seus efeitos sem causar nem dano maior.

E foram tantas injeções diárias que o meu corpo começou a reagir a doença que se instalava, e me foi voltando a vida enfim.

Os efeitos alienantes que esta tal droga causava foram sendo aos poucos absorvidos pelo meu corpo e mente.

Depois de muito tempo e de tantas aplicações da tal droga desconhecida, pois nunca me deixaram ver o vidro e nem o que estava escrito lá corretamente, é que por descuido dos médicos conseguir ler e lá estava escrito, e a surpresa foi enorme quando li que no no tal vidro, estava escrito:
[“AMOR”, cuidado ao manuseá-lo.]

Era amor que me injetavam constantemente, então era isto que me estimulava e que teria de fazer com que meu corpo e mente novamente se acostumassem com ele.

Conversei com o médico, verdadeiro anjo mandado dos céus, como faria para depois de ter alta continuar com o tratamento que estava dando tão certo comigo.

Procurei saber, e depois como o conseguiria o vidro da droga? Onde o compraria?

E o médico disse:

“- Isto não se compra, isto só pode ser doado para os pacientes que necessitam muito dele.”

Eu então, na minha ansiedade e curiosidade perguntei:

“Onde vocês o conseguiram?”

Ele deu um leve sorriso, e disse:

“- No seu caso, ocorreram várias doações. Vieram de amigos, de familiares, até de pessoas que nunca te viram, ou te conheciam antes, e resolveram doar. Pessoas que nem te conhecem, só falaram por telefone com você ou que te conheceram a pouco tempo, também quiseram fazer esta doação. Pessoas que só de te olhar, uma vez apenas, também quiseram doar para você. Pessoas que nem aqui vieram e mandaram da distância de onde elas estavam, mas seu principal doador foi Deus e você mesmo. Você resolveu doar o amor que você achava que tinha perdido, que estava escondido dentro de você. Você resolveu abrir seu coração e com a interferência de Deus, doar o amor que você achava que tinha perdido.”

Uma pequena lágrima rolou de meus olhos e o médico disse:

“ Está vendo ! Esta pequenina lágrima é um sinal de que o seu amor pela vida voltou.”

Ele já ia se retirando, quando o chamei e lhe disse:

“ Doutor, por favor, o senhor está cuidando de mim a tanto tempo e nem ao menos sei seu nome, só sei que o senhor é um verdadeiro anjo. Qual seu nome?”

Mais uma vê ele sorriu levemente, parecia iluminado, por uma luz muito branca e forte, e disse:

“- Meu nome? Meu nome é Gabriel.”

E assim ele falou, e depois sumiu no corredor longo e iluminado, cantarolando uma canção suave e com a certeza de que mais uma cura ele tinha conseguido com a ajuda de Deus.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Novo Mundo

Num instante perco colo,
me jogo no solo,
não quero, mas choro,
e não me consolo.

Noutro, lá vem tempestade,
Mais dor e saudade,
é tanta maldade
na falta de afetividade.

Mas depois passa tudo,
E só fica o lamento.
No corpo soturno
De tanto tormento..

Vai em paz...
vai amor.......
não olhe para trás
e leva contigo a dor.

Sigo caminho oposto,
Totalmente diferente do teu,
Mesmo a contragosto
Foi o que a vida me deu.

Busco novos campos
Onde a esperança plantar,
tentando descer do barranco,
tentando a vida levar.

Procuro não olhar mais
Para tudo que ficou.
Procuro o longe encontrar,
Na estrada que se formou.

Vejo luzes, vejo rio,
Vejo mata, ouço pio.
Vida que segue adiante.
Terá sol radiante?

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Forças

Imensidões
tenho em mim,
como um oceano,
como espaço inexplorado,
como o meu amor.
Este amor que me sufoca
como a fumaça de mil incêndios
que tenho em mim.
Que queimam,
o que não tem mais
para queimar.
Que ardem no coração,
e por proteção
o corpo derrama lágrimas
para tentar
este fogo abrandar.
Existem forças maiores que eu,
maiores que você,
que governam,
que dirigem o mundo
do destino,
e com as quais
não se pode lutar.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Porquê vieste?

Quem soprou em meus ouvidos
o teu nome em segredo?
Foi um vento que te trouxe,
que a ti anunciou mais cedo.

Tirou de meu corpo a dor
e colocou alegria
me deu tanto fervor
e o amor em primazia.

Mas contigo não posso ficar.
A vida assim não o queria.
Me ponho no mundo a vagar
Como barco sem ventania.

Para que vieste me encantar?
Porquê deixou-me em ti descansar?
Se teu coração em meu peito não poderia ficar.
E só lágrimas passaria a derramar.

Não ! Isto é injusto !
Comigo, um pobre sofredor.
Nada pior no mundo
Do que conhecer o teu amor.

Queria nele não ter sofrido.
Queria dele não ter provado.
Queria dele não ter saído.
Queria nele ter sido amado.

sábado, 5 de dezembro de 2009

Voltei

Amigos(as) voltei, depois de umas férias hospitalares de 15 dias, voltei, meu coração resolveu brincar comigo mais uma vez e resolveu que era hora de rever todo os amigos que tenho no Prontocor, acho que ele estava com saudades de todo o pessoal de lá, mas voltei com algumas dúvidas e outras certezas, e querendo sempre um amanhã.
Agradeço as palavras carinhosas, mas nesta viagem, desculpem, não levaria nenhum de vcs comigo.
Bjs, abs.

Para levantar o astral e sair dançando neste sabadão.
Obrigado pelas orações, pelas velas, pelas lágrimas, por tudo.
Talvez vc nunca saiba o quanto isto foi importante.
Agora a onda passou é hora de reconstruir.





Preciso de um amanhã.


Eu preciso de um amanhã,
preciso muito.
O hoje já passou,
e o ontem não mais existe,
o principal é ter um amanhã.
É ir deitar e ter a certeza
de que ao abrir os olhos
pela manhã ainda estarei aqui.
Para reclamar dos problemas,
para maldizer o calor,
para reclamar da vida,
mas ainda estar aqui,
é primordial.
Para não ver meus filhos,
mas saber que eles estão ali ao lado.
Para não falar com ninguém o dia todo,
mas saber que as pessoas existem,
aguardando uma palavra minha
e eu algumas palavras delas também.
É ligar para os amigos
e mesmos que eles estejam ocupados
e não possam falar,
mas só para ouvir eles dizerem
te ligo depois, e as vezes nem ligam.
É ter a certeza de que amanhã
ainda possa te ouvir
brigar, reclamar,
xingar,
e principalmente
dizer que me ama.
Hoje,
preciso de um amanhã
como nunca.

sábado, 21 de novembro de 2009

De férias...



O blog está de férias por poucos dias.

Grande abraço!

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Sonho Meu

São dias que passam
e noites em dormir.
Dias que não te vejo
e noites sem te sentir.

Morro a cada instante
Que sua falta se faz presente
Grito num rompante,
Amor, estou doente !

Como nuvem que passa,
Sou levado pelo vento.
Sou cativo na tua graça
E te segue meu pensamento.

Leve sonho tenho por ti
E dele não me envergonho
E andando só para ti
Deixo que me leve, o sonho.

Sem nunca te alcançar
Corro, corro, sem parar
Em meus pés a tropeçar
Choro, por ti gritar.

Vem sonho meu,
Me espera na agonia.
Vem viver ao lado meu
Toda esta tua alegria.

E sonhando vou,
Nesta vida desregrada,
Mais um tolo sou
Com a alma despedaçada.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Os Outros

Meus olhos,
já mais nada querem ver,
de tanto procurarem por ti,
e de tanto por ti sofrer.
Olharás,
como eu te olhei,
buscando um tempo perdido
que jogaste ao vento
por palavras injustas
por outros tão ditas.
Vai-te princesa,
vai por este mundo só seu,
deixas-me minhas com tristezas
e com elas eu morrerei.
Seguimos caminhos paralelos,
nunca mais nos encontraremos,
e a saudade,
como um martelo,
Bate forte neste amor que vivemos.
Em outra vida,
talvez um dia,
nos encontremos
e poderemos falar de nós
e saber porquê sofremos.
Agora não tem mais jeito,
a vida se foi indo,
você comigo sofrendo
e os outros,
de nós rindo.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Na calada da noite

Na noite fecho meus olhos
para a ti encontrar.
O coração te chama
para ao meu lado ficar.
Murmuro no silêncio noturno
nossa canção tão cantada,
E digo, te amo, mil vezes
com a voz entrecortada.
O amor se revela
na calada da escuridão
Você ao meu lado não está,
aqui é só solidão.
Quando poderei dizer
ao pé de seu ouvido,
abraçados no leito divino
as palavras que sempre digo.
Não sei dizer o que sinto
Andando por este longo labirinto
Que a vida me fez conhecer
Cada vez que te encontro
Há um novo renascer.
Minha querida deusa,
Pessoa tão amada por mim
Um dia saberás
O que se passa enfim
Neste aflito coração
Que derrama lágrimas sofridas
Por todo o meu chão.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Perdidos

Amamos o que temos,
e o que também não temos,
e quando isto o fazemos
somos barco perdidos...sem remos.

Uma mão procura a outra,
e não nos demos,
buscamos palavras perdidas,
que não as lemos.

Os beijos, de mel, potes cheios são,
que sempre pensei em provar
e nesta doçura nos daremos
como se fossemos um só par.

E este barco, sem remos,
na sorte da maré ficará,
rumando ao rumo do vento
para onde o quiser levar.

Sei que és bela
e o desejo permanece.
Serás sempre uma janela
onde meu amor não desvanece.

Quem sabe um dia
possa a ti encontrar
e neste sonho ficaria
até a morte chegar.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Doador

Para vc parar de duvidar.



Sou doador !
Nunca se esqueçam disso,
por favor.
Um dia,
quando a luz para estes olhos
não mais existir,
retirem tudo que possam,
para alguém deve servir.
Olhos, dentes, pulmão,
Pâncreas, fígado, rins.
Levem para outros corpos,
não devem estar tão ruins.
Ossos, pele,
isto também
podem tirar,
sei lá,
sempre pode se aproveitar.
Só não tirem meu coração,
Por favor, este não,
este tem dona
e lhe foi entregue
a muito tempo.
E em outro peito,
este coração sofredor,
só causaria muita dor.
O resto,
façam o que bem desejarem,
façam o que bem se quiser,
mas meu coração não,
ele sempre será desta mulher.
Embora ela não acredite,
embora ela sempre duvide.
Por mais que lhe diga,
Te Amo!

O Tempo

Nada mais me resta a fazer
senão te amar
com toda as minhas forças,
pelo pouco tempo
que ainda me resta.
Queria mais tempo ter
para mais tempo te amar,
e te amar, e te amar.
O tempo é cruel.
Passa muito rápido
e nos leva com ele.
Queria saber passar,
como o tempo,
passar e não deixar marcas.
Se pudesse o tempo parar
o congelaria,
na nossa casinha,
onde vivemos momentos
tão grandiosos
e aconchegantes.
Faria ele passar
de uma forma tão lenta
que tudo pareceria estático,
menos nós dois.
Poderíamos nos entregar,
sem pressa,
o tempo todo,
por todo o tempo.

sábado, 14 de novembro de 2009

Olhos

Suspiro o que no ontem
fui buscar
e não consigo trazer
para o hoje.
As lágrimas não são raras,
pelo contrário,
já fazem parte de uma rotina
de pensamentos perdidos.
Não há mais vida sem você,
pois ela vive de se alimentar
deste amor proscrito.
Este amor não teme o tempo,
ele teme a ele mesmo,
e as suas inseguranças.
Vacila, ao mínimo temor de uma perda.
O que fizestes aos meus olhos amor?
Eles não mais nada conseguem ver
além de ti.
Estes olhos foram corrompidos
pelo teu passar
e não podem mais deixar de seguir-te,
e levam com ele
todo o meu pensamento.
Os olhos, que este amor me deu,
não ligam mais para o que é real,
ele só se entrega ao pranto e a vigília.
Depois que provei de teus lábios,
recheados de mel,
sugou-me a morte
a vida que tinha
e a esperança de te ter comigo
deu-me uma vida nova.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Altar de um anjo

A cama é o altar
em que dormes
como anjo.
Desperto
e fico a te olhar,
relembro a noite cálida vivida,
de suores e gemidos,
e fico a te olhar.
Calado,
digo baixinho,
que te amo,
para não te despertar
de teu sono tão tranqüilo.
Pareces um anjo,
um anjo de paz,
que pousou em minha vida.
Uma lágrima rola de saudades,
mesmo com você ao meu lado,
tenho saudades do tempo perdido
em que não te conhecia,
quanto tempo poderíamos
estar juntos
vivendo este nosso
grande amor.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Amor e Paixão

O amor aprisiona,
a paixão liberta.
O amor é terra, é chão,
a paixão é água, é fogo, é ar.
O amor, adormece as paixões,
a paixão, liberta o amor.
A paixão passa,
o amor fica.
Que pena
que ambos não podem conviver,
juntos,
para sempre.
Seria muito bom manter a doçura do amor
com a chama ardente da paixão.
Quão maravilhoso seria
Manter a entrega do amor
com a displicência da paixão.
Um sonho seria
continuar a loucura da paixão
com a placidez do amor.
O tempo se encarrega
de fazer com que a paixão
vá diminuindo sua atuação
e deixando que o amor se estabeleça.
O amor acomoda as coisas.
A paixão faz brigar.
Brigue amor, brigue paixão.
Só não abandonem nunca
este doido coração.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Homenagem a uma poetisa que tanto gosto

No dia 8 de dezembro de 1894, nascia Florblea Espanca,ícone da poesia em língua portuguesa. Excelente sonetista, Florbela expressa suas emoções em linguagem telúrica, de imagens fortes, impregnadas de verdade física e arrebatamento. Sua poesia caracteriza-se pela recorrência dos temas do sofrimento, da solidão, do desencanto, aliados a uma imensa ternura e a um desejo de felicidade e plenitude que só poderão ser alcançados no absoluto, no infinito. Morre, na noite de 7 para 8 de dezembro de 1930, vítima, do efeito de barbitúricos, não se sabendo jamais se por suicídio ou por acidente, pela ingestão de dose excessiva. Considerada como a figura feminina mais importante da Literatura Portuguesa, Florbela Espanca deixou poesias de uma sensibilidade exacerbada, repletas de um erotismo confessional, que deixa transparecer tendências e sentimentos opostos, flagrados como se em um diário íntimo.
Alguns exemplos para encantar.

Visitem: http://interludioemflorcomflorbela.blogspot.com/

Insensatez

Estou ancorado
em um mar de saudades,
nem uma leve brisa sopra
para encher minhas velas
e me levar para novo navegar.
Estou aprisionado
no tempo passado.
Meus movimentos
são somente
no balanço lateral no barco,
que é meu corpo,
sem sair do lugar.
Isto tudo é resultado
de um grito surdo
que brotou no peito.
De um amor que chegou para dar
e não para receber.
Quanta insensatez.
São só risos
dos meus desejos mais simples.
São só esboços de reconhecimento
do que é dito em meus poemas.
Se ao menos você pudesse saber
o que se passa dentro deste sonho de luz,
de luz azul,
que me faz encontrar a paz,
a minha paz.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Alado

Você é pura poesia,
basta te olhar
e ser inundado
de sensações
contagiantes.
Deu-me um par de asas
e eu aprendi a voar,
e voar
aos mais infinitos cantos
de minha alma.
Na tua ausência
as penas de minhas asas
estão começando a cair
e a cada pena caída
uma nova ferida se abre,
e sangra.
E a capacidade de voar se vai.
Pássaros não foram feitos para caminhar
eu sou passarinho e quero voar,
dá-me asas novamente.
Me dê, novamente,
a capacidade de voar
ainda que baixinho
a poucos metros do chão
mas não me deixe preso na terra.
Não sobreviveria.

domingo, 8 de novembro de 2009

Pequeno Recado

Sou filho de Oxossi, Yansã e Obá,
Protegido por Ogum,
e apadrinhado por Oxalá.
Não queria me fazer mal,
nem em pensamento,
pois meus guias me protegem,
na vida, a todo momento.

Siga seu caminho em paz,
e deixe o meu pra lá.
Olhe bem o que tu faz.
Olha bem o que vai falar.

Vai na Luz,
Anda tua própria estrada.
Deixe, que “alguém” te conduz,
Nesta tua vida agoniada.

Deixem falar o que quiserem,
Não se importe e nem se preocupe.
Só quero tem bem,
Não quero que se machuque.

Vá bagunçar em outro terreiro.
Busca teu caminho, teu enredo.
Não vem levantar poeira,
Nem querer me fazer medo.

Agora que o recado está dado,
Veja se ouve com atenção,
Que você seja amparado
Pelos guias do teu coração.

Deus dá paz,
Deus é guia.
E que nos proteja
A Virgem Maria.

sábado, 7 de novembro de 2009

Al di la (Muito Além)

E pensar que via este filme e não entendia nada. Minha mãe me levava para ver, pois ela queria ver e eu molequinho ia.
O filme Candelabro Italiano, (Rome Adventure - 1962)

A monotonia de New England faz com que a bibliotecária Prudence Bell (Suzanne Pleshette) viaje a Roma a procura de momentos de aventura e romance. Durante a viagem ela tem uma aventura amorosa com um arquiteto de idade próxima a sua (Troy Donahue) e com um charmoso galanteador mais velho (Rossano Brazzi). A paixão dos dois os leva a uma viagem pelo norte da Itália. Isso até Prudence descobrir que há outra mulher na vida de seu affair. Desolada ela volta para sua casa mas imagina as surpresas que o destino lhe revela...


Relíquia

Uma canção as vezes diz tudo, esta é mais uma relíquia das canções mundiais.
O ano 1966, as canções italianas estavam no auge.
Gigliola Cinquetti interpreta esta bela canção de Domenico Modugno.
Espero que VOCÊ, goste.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Sexta-feira, dia de saudades.

Um calor infernal no RJ,tô indo prá praia, vem, tô te esperando lá.


quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Para a mulher que adoro tanto.

Mulher verde


Conheci uma mulher.

Não é vermelha, e nem amarela.

Não é negra, e nem é branca.

Verde. Sim, verde! É a cor dela.


Esta mulher me encanta.

Quando briga, quando chora.

Quando faz carinha

e diz que vai embora.


Quando vem,

e se aninha com jeito,

como uma gatinha,

enrolada em meu peito.


Ela é uma menina-mulher,

Uma mulher-menina,

Que encanta, me prende,

e que tanto me fascina.


Que tem ciúmes demais.

Que faz e não desfaz.

Se arrepende e me atrai.

Cada vez mais.


Menina minha,

Seja verde a cor tua,

Seja sempre minha menina,

Nunca fique madura.


Deixe que maduro fico eu.

Que só a mim, o tempo passe.

E você que me prendeu

Que nunca amadurasse.


Feliz, risonha, alegre.

És minha, e sou teu.

Assim te quero sempre.

Assim te quero eu.


Vamos deixar que a vida

Resolva o que fazer.

Deitemos na relva umedecida

E estrelas vamos recolher.


Vivamos de sonhos.

Vivamos de ilusões.

Vivamos o tamanho

De nossos corações.


Nosso coração é grande,

Mas não pode preso suportar

Todo amor que nele há.

Deixe o amor solto em nosso coração saltar.


Agora me basta uma declaração tua.

Diz que me ama, com palavra crua.

Sem rodeio, sem aflição.

Com devaneios, com emoção.


Aliás, não diz nada,

fica calada.

Como anjo te quero assim.

Simplesmente vem, caminha pra mim.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Lucky

Seguindo a mesma linha musical e deixando que a música fale por mim.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

I'm Yours

Você ainda gosta de ouvir?

sábado, 31 de outubro de 2009

R.....parei.

O que era alegria,
virou tormento.
O que era compartilhar, dividir,
virou febre de tudo ruir.

Parei,
vou dar um tempo.
não quero confusões
e nem causar mais lamento.

Ciumes, raivas,
deixe tudo para trás,
não tenho as culpas
que me chegam demais.

Você, e só você me agrada,
não quero mais ninguém,
mais você não entende isto,
e insiste em acusar por vintém.

Tá bom, parei.
Ficarei aguardando sua volta.
Neste meu canto estarei.
Agasalhando sua revolta.

Pense direito,
não vale a pena
nos estragarmos,
por coisa tão pequena.

Nada mais postarei,
até você voltar,
Sabe que te amo
e não vou deixar de te amar.

Um R bendito
pousou em minha vida perdida,
agora quer partir
deixando mais uma ferida.

Se quiser ir vá,
não te prenderei,
não houve tempo perdido,
só lamentarei,
e muito.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Antagonismos

Minha alma
é um brechó
de sensações.
Meu corpo
um beco
de preocupações.
A estrada é cheia de pedras
a sola de meu pé sangra
e não se vê.
Meu sorriso desapareceu,
a muito.
Minhas asas
estão encolhidas.
O egoísmo
toma conta de tudo.
O poder de colorir a vida
com aquarela
desapareceu.
O corpo segue
de teimoso que é.
A alma quer descansar
na solidão da paz.
Quem eu quero
não me pode ter,
e quem me pode ter
eu não quero.
Neste impasse
o embate
é iminente.
De quem será a derrota?

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Solidão das palavras

Não existe solidão maior
do que a de se falar sozinho,
e não ter ninguém escutar.
Falo de teimoso que sou,
falo com o papel.
Minhas palavras até passam
e alguns as vêem,
e elas se perdem no cotidiano
da cidade grande,
na correria do dia a dia,
na mesmice da burocracia humana.
Não as olhem,
as vejam, as entendam,
uma dia pode ser tarde demais
e todas as palavras
perdidas no tempo
podem não voltar mais.
Não entendam as minhas palavras,
busquem entender todas as palavras,
até aquelas que não possuem som,
aquelas que são ditas
no silêncio de um olhar perdido.
Entendendo as palavras
seu coração ficará mais leve,
a mesmice não será eterna,
a busca por objetivos não será em vão.
Palavras são só sinais gráficos
colocados em uma superfície qualquer,
grafados das mais diversas formas,
mas o que elas transmitem
não tem igualdade.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Poemas e poetas

Saberão vocês
o que os poetas
querem realmente dizer
em seus poemas?
Acho que nem o poeta sabe
o que quer dizer o seu poema.
A cada leitura,
uma interpretação
diferente é dada.
A cada nova olhada
uma palavra nova surge,
ou é mudada,
para completar o poema.
Um poema
nunca está finalizado.
Ele é uma porta aberta
para as mais diversas mentes e visões.
Um poema é fruto de uma imaginação
e modificado a cada novo leitor.
E assim a cada nova leitura,
a cada nova interpretação,
o poema vai ganhando vida,
vai se transmutando,
e o seu poeta
vai ganhando eternidade,
na felicidade transmitida
por suas palavras.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Brega?!?!?!?!?

Não acho que exista música brega, existe sim músicas que de alguma forma lhe dizem algo, seja no ritmo, na interpretação, ou na letra, ela sempre lhe dirá tudo.
Esta me foi lembrada por uma amiga, e resolvi colocar aqui.
Vai me dizer que não dá uma vontade danada de dançar ouvindo esta música?
Não!? Então para de se balançar na cadeira.



Medo do Escuro

Faz escuro lá fora,
mas eu canto,
canto baixo,
canto alto,
sigo cantando
tentando aos males espantar
e minha vida seguir,
mesmo na escuridão.
Antes este escuro me dava medo,
agora não, já estou aprendendo
a conviver com ele
e ele não é tão mal assim.
Para dizer a verdade
estou achando
acho que este escuro é ótimo,
pois consigo passar
despercebido de muitos.
Além disso,
é no escuro que
pequenos raios de luz
tem um brilho maior.
É no escuro
que as pequenas palavras,
sussurradas,
ganham amplitude.
É no escuro que o tato aumenta.
E cantando,
tateando,
buscando o brilho,
e escutando ruídos,
sigo feliz da vida
sem mais medo
do escuro.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

F...comme femme.

Quem tem lá os seus cinquentinha, como eu, deve ter curtido muito esta maravilhosa música. O post anterior acabou me levando a esta relíquia também na voz de Adamo.


Ontem

Minha grande amiga Vera Costa, do blog Vera Costa Bolos Personalizados, que tive o imenso prazer de conhecer pessoalmente lá em Salvador, terra maravilhosa, me mandou esta preciosidade que posto agora. Ah....os vinte anos, achamos que somos donos do mundo e do tempo, e depois pagamos o preço por isto.Bjs Vera adorei.



quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Poemas de um louco.

Em meus poemas
sopra o vento
da reinvenção das palavras,
busco ânsias perdidas,
choro lágrimas desencontradas
em meus poemas.
Em meus poemas
as letras se juntam
de maneiras diferentes
para só dizer da mesma coisa.
No inconsciente de meu ser
as palavras brotam,
florescem,
morrem,
sem sementes,
não dando chance
de uma nova vida.
Esta brisa toca meu intimo
o tempo todo.
Esta coisa sublime,
e carnal, da escrita
me leva a lugares perdidos
no fundo de minha mente
deixando uma inquietação presente,
uma inquietação latente.
Queria poder transformar
esta ausência em alegria.
Queria poder mudar
esta solidão em algazarra.
Queria poder transformar
minha loucura em sanidade.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Coração lento

Meu coração é lento,
e está sempre atrasado
para as coisas do amor.
Toda vez que o encontro
ele já passou por minha vida,
e seguiu um outro caminho.
Só encontro as pegadas,
os rastros,
que ele deixou
e me encanto com eles.
Corro atrás dele,
mas ele é rápido,
muito rápido,
e não consigo alcançá-lo,
e fico sempre na estrada da vida,
vendo de longe,
meu amor sumir
no tempo,
e na poeira
das saudades.
E fico entre o sonho
e os vestígios
de um grande amor
perdido na vida.

domingo, 18 de outubro de 2009

Julgamento

Me agarro ao papel
com minhas palavras doidas,
pois esta é a única esperança
que me resta.
Todas as outras já se foram.
Aqui, no papel, grito
para que os sobreviventes ouçam
o que testemunhei
na minha trajetória de vida
e algum dia ao me julgarem, de novo,
o façam com um pouco mais de serenidade.
Sabedores que serão de algumas coisas novas,
e que estes novos fatos
possam aplacar a ira
de um julgamento imediato
e impensado,
feito somente na emoção
e não com um tino de razão.
Em algum tempo, talvez,
possa ter reconhecida
que minha culpa não é só minha,
mas me foi jogada as costas,
e levaram a conseqüências desastrosas,
e a tudo calado agüentei.
Não sou santo, sou humano e erro.
Não sou certo, mas errado de todo
também não.
O julgamento está feito.
O martelo já foi batido.
Cabe agora cumprir
a tão pesada pena imposta,
sem direito a revisão.
O destino que virá,
depois da pena cumprida
nesta cela imunda
e solitária em que fui deixado,
só a vida poderá mostrar.

sábado, 17 de outubro de 2009

Amiga

Olhei para trás
e nada vi,
além de você.
O que houve?
Até há pouco
estava cheio de gente,
agora todos se foram
só ficou você.
Como vigia de minha retaguarda.
Você anda comigo,
um pouco atrás,
não sei se é para ir se afastando,
aos pouquinhos,
para que eu não sinta tanto
tua ausência
e ir me acostumando
a andar só
ou pra manter a distância
confortável para não ocorrer
nenhum choque maior.
De qualquer forma,
obrigado amiga,
por pelo menos por um tempo,
ainda que curto,
caminhar
pelos caminhos meus.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Distante

Você é o sonho
de um sonho,
longe, muito longe,
assim te sinto.
A sua demora,
o tempo leva,
e o meu coração
dispara quando te vê,
mesmo ao longe.
Tenho, ainda,
o seu perfume
guardado em mim.
Por mais que eu me esconda,
nos vãos criados em meu corpo
para fugir desta ilusão,
não o consigo fazer por completo
e fujo de mim mesmo.
Não faltam lembranças,
tuas,
palpitando em minha mente,
o tempo todo,
e a todo momento
me trazendo você
para mais perto de mim.
Amor,
eu amo,
amo tanto,
este seu jeito
de me olhar.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

A falta que há.

O vazio, que já
ocupa tudo no ar
desvanece o que iria brotar.
As rosas, em meu jardim,
são de cimento.
Não eram,
ficaram com tanto tormento.
O corpo, coberto de terra,
não consegue se limpar.
O vento frio,
em uma manhã chuvosa
de segunda-feira,
é a única coisa que o toca.
Ouço o silêncio
de tudo a minha volta
por mais que procure barulhos,
ruídos de pessoas,
o silêncio permanece absoluto.
Estava mudo,
estou ficando surdo,
e não quero ficar cego
na falta que há.
Alguns gestos procuro fazer,
mas não há eco,
ou quando o há
eu já me fui,
cansado estou
de tanto esperar,
na borda do desfiladeiro,
o retorno do som.

domingo, 11 de outubro de 2009

Com Amor e Carinho

Esta música, para mim, tem uma das mais belas frases já ditas:
"E quando no fim da estrada, minha amada, o inverno tristonho chegar, mais amor eu vou ter prá lhe dar."
Um ótimo domingo e feriado a todos, especialmente para vc.

sábado, 10 de outubro de 2009

Dançando

Sou o que sou
porquê um dia
o coração amou,
e por isso sou
o que sou.
Dançando na solidão,
tenho todo o salão
de meu peito vazio,
para rodopiar a vontade
com a desilusão.
De tanto rodopiar
fico tonto
e vem amargura,
preciso de uma água, pura,
para voltar a compostura.
Chega de dançar.
Chega de rodopiar.
Chega de tonto ficar.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Nostalgia





Coração doente

Tenho um sério problema.
Meu coração está contaminado,
contaminado por tanto amor
que tenho por você.
E cada vez
que o sangue é bombeado
leva esta contaminação,
espalhando-a por todo meu corpo,
por todo meu cérebro.
Deixando meu corpo,
e cérebro,
Cada vez mais doente.
A cada volta,
do sangue em meu corpo,
mais e mais me contamino de você
e não há remédio que cure este mal.
A cada novo batimento,
o coração pulsa mais rápido,
e mais rápido, e mais rápido,
espalhando-a toda em mim.
Sinto que ainda vou acabar morrendo
desta doença incurável.
Sinto que ainda vou acabar morrendo
de amor por você.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Em Minha Mesa

Em minha mesa,
Escrevo,
e percorro vales e rios,
montanhas e nuvens.
Em minha mesa viajo,
constantemente,
assumo os papéis que quero,
sou pássaro,
sou flor,
sou pulsante coração,
sou dor em profusão.
O fato de escrever
não me faz um escritor
ou poeta tampouco,
só me faz um louco
com idéias soltas
e um parafuso a menos.
Ao me afastar de minha mesa
no caminho para a cozinha
nova viagem se inicia
e volto correndo para cá,
afinal quem quer perder
uma viagem tão bela.
E de viagem, em viagem,
Faço relato,
para que outros
possam também
comigo viajar.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

As Tuas Palavras

Salvei tuas palavras,
que quando partistes,
deixastes jogadas
no chão.
Juntei o que havias dito
e também o que ainda não tinhas dito,
mas que estavam escritas,
em papéis amassados
por uma mão raivosa.
Tuas palavras eram tristes,
assim como tu estavas,
mas as salvei,
e as juntei.
Na hora de as organizar,
não sabia ao certo
em que ordem colocar
e as coloquei do meu jeito
e depois li,
e vi que as juntei
de forma diferente,
ao acaso,
e elas tinham outro sentido.
As tuas palavras,
na minha maneira de juntar,
tinham outro sentido,
tinham um sentido mais doce.
Devemos deixar assim ?
Ou colocar as tuas palavras
na ordem certa.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Vozes

Ouço muitas vozes,
vozes que me conduzem
e me ajudam no caminhar.

Ouço algumas vozes.
Estas vozes amigas
me dizem o que fazer,
o que escrever,
o que relatar, por onde andar.

Ouço diversas vozes,
perdidas no meio
de tanto barulho,
mas eu as ouço..

Ouço poucas vozes.
Vozes que riem,
zombando
do que se passa
comigo.

Ouço vozes amigas que choram
Compreendendo minha dor
e compartilhando o que se passa comigo.

Ouço vozes,
Só...ouço vozes.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Selinho


Recebi este selinho de um dileto amigo, Wanderley, obrigado pela lembrança.

Tenho de indicar sete blogs que também o mereçam:

- Cantos e Encantos (http://sonianovaes.blogspot.com/)
- Simplesmente Ariana (http://blogariana.blogspot.com/)
- Vera Costa Bolos Personalizados (http://minhadocearte.blogspot.com/)
- Diário de Bordo (http://emersoncultura.blogspot.com/)
- Zakuskas (http://zakuskas.blogspot.com/)
- Nas Unhas ESmalte Preto (http://nasunhasesmaltepreto.blogspot.com/)
- Verseiro (http://verseiro.blogspot.com/)

Listar sete coisas que não me saem da cabeça.
- Meus filhos
- Minha saúde
- Meus amigos
- Você
- Você
- Você
- Você

O que era longe está mais perto.

Amor em paz

Retribuindo a dedicação feita, que sua semana seja especial, assim como você o é.
Um beijo R.

domingo, 4 de outubro de 2009

A Mim

O que escrevo
não levo comigo,
deixo no caminho,
como marcas,
para quando quiser voltar
possa seguir o caminho de volta
e recordar tudo aquilo que vivi.
O que escrevo,
e espalho pelo meu caminho,
não é meu,
passa a pertencer
a quem os achar,
a quem deles resolver
tomar conta,
a quem daquelas palavras
caídas no chão precise.
Escrevo para mim,
para relatar,
a mim,
o que sinto,
o que senti,
o que se passa comigo.
Cada palavra que escrevo
é uma nova viagem,
no tempo,
no amor,
ou em outras sensações
não tão agradáveis,
mas tão inspiradoras
também.
O que escrevo não é nada,
as sensações
que me levam a escrever
é que são tudo.

sábado, 3 de outubro de 2009

Doce Mistério

Não sou muito chegado as músicas chamadas de sertanejas, mas esta sem dúvida é demais.

Andarilho

Ando por uma estrada
para chegar a lugar algum.
Só ando.
Não estou perdido,
apenas não sei onde vou,
ou vou sem rumo,
olhando aqui e ali.
A cada nova vista
um novo horizonte aparece
e novos planos são traçados.
Não vago, ando,
pés firmes na terra,
andando na direção
que o nariz aponta,
sentindo os aromas
que podem vir de campos
ou de poluição das cidades.
Destas últimas eu me afasto,
rapidamente,
não é isto que meus pés buscam,
eles preferem andar nos campos.
Vasculhando cada árvore,
cada pedra,
cada rio,
ouvindo todos os ruídos,
preenchendo o cérebro de sons,
para que quando não mais
possa caminhar,
quando minhas pernas
já estiverem fracas
pelo peso da idade,
estes sons e sensações
me façam continuar
na minha eterna caminhada.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

O Tempo

O tempo passa,
só não passa
a ferida no coração.
Um coração que era cheio
de flores e encantos....
Era, eles agora
não existem mais.
Nenhum encanto,
nenhuma flor.
O tempo reduz,
a cada segundo,
o tempo de vida
e a tentativa de recuperar
o coração também se esvai
com o tempo.
O meu tempo.
O teu tempo.
O nosso tempo.
Passa muito rápido,
e não nos demos conta dele.
Nos deixamos embalar
pelas armadilhas
que o tempo nos traz.
Quando percebemos
o tempo já passou.
Quando percebemos
nos distanciamos.
Quando percebemos
ficaram só as feridas,
e não mais,
as doces lembranças.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Mistério

No meio
de um imenso mistério
você surgiu,
e mais misteriosa
ficou a vida.
Até tentei,
no início,
entender este mistério,
mas era misterioso demais
para mim,
e desisti
de tentar entendê-lo,
simplesmente me deixei repousar
nas suas angústias,
e em todos os prazeres
que nasceram com este mistério.
Vieram tristes pensamentos.
Vieram loucas alegrias.
Vieram. . . .
Vieram e se foram
como um mistério.
Ficaram só
as tristes alegrias
e os loucos pensamentos.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Ser Poeta

Ser poeta
é estar sozinho,
é ter sempre uma nuvem
sobre si,
fazendo sombra,
só deixando sobre você
uma luz difusa.
Ser poeta
é o desejo de todos,
e a angústia de alguns.
Não desejei ser poeta,
não desejei sentir o que sinto
e nem ter as emoções que tenho,
aliás nem sei
se sou poeta,
ou se só escrevo algumas letras,
que juntas,
agradam a alguns.
Sei que as palavras surgem,
na dor e no amor,
e quem ama,
ou quem tem a dor,
as vezes nem sabe
que as tem.
Sei que de onde estou
vejo as coisas
de maneira diferente,
com outros olhos.
Vejo a vida,
quando escrevo,
muito diferente.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Seguindo letras.

Seria
simples
sentir
saudades
sem
sofrer.

Cantar
Canções,
com
coração
contente.

Podemos
possuir
poderes,
podemos.

Vamos
vagar,
visitando
vários
versos.

Eu
Entendo,
encontrar
emoções,

Mexe
mais,
muito mais, com
minha vida.

Temor
toma
todo
teu
tino.

Não
navegues
nas
naus
noturnas.

Sejas
sol,
sobre
seus
sonhos.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Olhar

Olhar com os olhos
não é simplesmente ver.
Olhar é enxergar os detalhes,
as nuances,
os aspectos escondidos,
sejam de objetos ou pessoas.
Olhar não é ver,
olhar é mais profundo,
é enxergar através da alma alheia
o que de belo lhe é mostrado,
todos os dias,
e que você simplesmente não vê.
Olhar no olho de outra pessoa,
olhar no centro de uma flor,
olhar para cima, para o céu azul
pintado suavemente com nuvens brancas,
olhar para baixo e ver a luta
de um pequeno inseto para viver.
Olhar dom divino.
Olhar para o lado,
e ver amor.
Olhar para dentro,
e ver vida.
Olhar ao redor,
e ver solidão.
O que você conseguir olhar,
nunca mais esquece.
Olhe as coisas a sua volta
com os olhos do coração
e tudo será mais belo.

domingo, 27 de setembro de 2009

Falar de Amor

Falar de amor...
como é bom falar de amor,
falar do que é belo,
das mais sensacionais sensações.
Falar de amor é muito bom.
Ao falar de amor
você pode até chorar,
mas será uma lágrima diferente,
será uma lágrima de saudade.
As dores dos amores
também são diferentes,
elas doem, ferem, sangram,
como as outras,
mas se curam,
rapidamente,
quando ao lado do seu amor
você está.
Falar de amor,
é falar sem pensar,
as palavras saem
e se juntam
formando frases lindas,
com sentimentos,
com magia,
com encantamentos.
Como é bom falar de amor.

Ave Marias

Salve Maria,
mãe de Jesus,
mas não só ela.
Salve Marias.....
Maria do dia-a-dia,
Maria que luta,
Maria que sonha,
Maria que sofre.
Maria que erra,
Maria que acerta.
Maria que tem desilusões,
Maria que tem alegrias.
Maria que consola,
Maria que acalanta também.
Maria que chora, baixinho,
Maria que grita Amém.
Maria que ama,
Maria que pari,
Maria que é mãe,
Maria que é pai.
Maria que é mulher
Maria que sabe o que quer.
A você Maria meu respeito,
o meu amor
e a minha amizade,
e que você fique sempre
sob as Graças do Senhor,
Amém.

sábado, 26 de setembro de 2009

Dedicada a um anjo

Era sexta-feira, pela manhã,
o momento da partida se aproximava,
e uma imagem perpétua se formava.

Guardo nos meus olhos
uma imagem,
a imagem de uma pessoa linda,
deitada em minha perna,
pensativa... longe...
pensando onde foi se meter,
por quê se meteu? ,
mas já era tarde,
ou pelo menos,
já era um pouco tarde agora.
E ela, olhando para fora
pela cortina branca, semi-transparente,
que esvoaça na brisa suave da manhã,
teimando em ficar reta,
tentando não ser vencida pelo vento,
tentando esconder a cidade de cimento frio
que existe lá fora,
ou as montanhas que se formavam
no belo horizonte.
E eu a fico olhando,
olhar o horizonte,
olhando aquele rosto tão bonito,
deitado em minha perna,
tão perto e tão longe
de uma realidade que não existe,
que não pode existir.
Acaricio seus cabelos,
pensando em quando nos esconderemos de novo
da cidade de cimento,
fria, que existe lá fora.
E eu fico olhando ela olhar o horizonte,
olhando aquele rosto tão angelical,
deitado em minha perna,
pensando em um mundo de fantasias.
Continuo acariciando seus cabelos
curtos e macios,
tentando aproveitar o máximo a sua presença,
pensando em quando teremos novamente
este prazer efêmero.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Tempo

Pedi ao tempo,
um tempo,
para colocar no vento
todo o sentimento
que causa tanto tormento.

O tempo,
não me deu o tempo,
e disse que eu agüento,
todo sofrimento.

Oh! Tempo,
não lamento
o envolvimento,
não foi coisa de momento.

Só te peço, tempo,
um pouco de ar, neste abafamento,
para aliviar este peito calorento.

Com muito contratempo,
e reclamando a todo momento,
O tempo,
em um gesto de contentamento,
deu água ao corpo sedento.

Também,
quem mandou me dar encantamento,
sai reclamando, o tempo rabugento.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Ventania

As coisas mais leves
o forte vento
não conseguiu levar.
Ele, quando passou por aqui,
só levou as coisas pesadas,
as leves resistiram.
Jogou um pouco
de terra nos olhos
que me fizeram
não enxergar o óbvio,
mas nada que um colírio
não resolva.
Um colírio ou um delírio,
só isto me fará
de novo enxergar.
Ele deixou pó,
ele me deixou só.
Vento forte,
ainda bem que você passou,
e passou mesmo,
levou quase tudo
que não prestava,
mas deixou a essência,
deixou minhas palavras,
deixou minha vontade
de escrever e descrever,
o poema ainda não findo.
Você é começo
e não fim.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Vim

Não quero dar para ninguém
os versos que eu fiz para você.
Não quero entregar para ninguém
os sonhos que sonhei contigo.
Não quero falar para ninguém
do amor que tenho por você.
Eu não vim para dizer nada para ninguém.
Eu vim só para te ver,
e te dizer, do meu amor.
Eu só vim para tentar entender
o que tanto me atrai
e me joga em teu caminho.
Eu só vim para tentar entender
porquê meu coração é seu,
só seu, e de mais ninguém,
e se a tudo tiver de enfrentar,
enfrentarei,
como os cavaleiros medievais,
enfrentavam os dragões,
dando sua vida se necessário.
É por isto que eu vim.
Vim para perto de você.
E tenho tanta coisas guardadas
em mim, para você,
que tudo mais que eu tenho
não tem serventia mais.

domingo, 20 de setembro de 2009

Saudades




Me bateu uma tristeza,
agora a noite,
chorei,
chorei muito,
mas chorei mesmo,
deixei cair,
tentando tirar daqui de dentro
a saudade que bateu
desta "velhinha"
que habita um andar superior.
Que saudade mãe,
que saudade......

Para a luta, que poderá vir.

Espera!

Espera!
Não se vá ainda,
sei que o sol já está se pondo,
mas não se vá ainda,
tenho de lhe mostrar
as estrelas e a lua
que surgirão em breve.

Espera!
Não se vá ainda,
sei que pensas que já é tarde,
mas deixa lhe falar
sobre todos os castelos lindos
que vi em meu caminho
até chegar a você.

Espera!
Não se vá ainda
sei que achas que já não tenho mais encantos,
que tudo que falei ou fiz já nada mais possui de belo,
mas deixa mostrar-lhe os encantos escondidos,
aqueles que tenho guardados só para você
e que os separei para uma ocasião especial.

Espera!
Não se ainda,
não é porquê o céu se encheu de nuvens negras
que a chuva não pode ser benfazeja
e trazer novas flores para o nosso jardim.

Espera!
Não se vá ainda.........
Espera.......

sábado, 19 de setembro de 2009

Renovação

A chama
que arde em meu peito,
gela todo o meu ser.
Há festa no funeral.
Os doces estão amargos.
As flores não possuem perfume mais.
Hoje só três coisas nos sustentam,
nossos medos,
nossas angústias
e a nossa solidão.
As razões estão livres,
e os sonhos presos,
as asas estão podadas.
Nos pés,
grossas correntes
nos fazem andar devagar.
A cada novo passo
um novo desafio
tem de ser enfrentado,
Novas forças
tem de ser buscadas,
para que possamos continuar
a andar.
Renovemos, nossas forças.
Removamos, nossas correntes.
Balancemos nossas asas
para que elas possam novamente
se fortalecer e consigamos
alçar novos vôos.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Cancela

Cancela,
todos os votos que te fiz,
de ser eterno
junto com o meu amor
a ti.

Cancela,
todos os sonhos
e desejos
que depositei
na conta,
do teu coração.

Cancela,
os meus mais puros olhares,
os meus mais meigos gestos,
que deixei repousar
na tua frente.

Cancela.
Todos os passeios
que minhas mãos fariam
em teu corpo,
cancela também.

Cancela,
o escutar palpitante
de meu coração,
só de pensar em te ver.

Cancela,
cancela todas as ousadias,
todas as entregas,
que um dia pensamos
em nos dar.

Cancela tudo,
tudo cancela,
nada mais disto
pertence a nós dois.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Utopia

Quero
para a lua fugir,
Quero
de meu corpo sair.
Quero sempre sorrir.
Queria poder parir.
Quero amar,
muito amar,
Quero todas noites sonhar.
Quero em minhas lágrimas,
me afogar.
Quero nos meus sonhos viajar
sem sair do meu lugar.
Quero em teus braço morrer,
de tanto amor fazer.
Quero um beijo de cinema,
Quero que a perna trema,
Quero sentir um poema,
com cheiro de alfazema.
Quero, já ter saudades tuas,
só de te ver nua.
Quero, a imensidão do mar,
Quero um coração a pulsar,
Descompassadamente,
só de contigo estar.
Quero contigo ficar envolvente,
ser um só ser vivente,
e nunca ter um poente.
Quero viver,
Quero sonhar,
Quero para esta terra dura,
de agora,
nunca voltar.
Me deixem lá........

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Sou ?

Não sou terra,
sou fogo,
sou água,
sou ar.
Não sou solidez
embora transpareça.
Sou fluido,
sou inconstante,
sou sonho.
Sou humano,
falho como todos.
Admito meus erros,
como poucos.
Não sou leão,
sou colibri,
não sou tubarão,
sou parati.
Não sou raiz,
sou semente,
levada pelo vento
disposta a brotar
onde pousar.
Sou mutante,
um ser intrigante
e as vezes fascinante.
Sou luz faiscante.
Não sou farol,
sou barco perdido
em um mar
de ilusões.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Infinito

Quero alcançar,
em mim,
o infinito que existe
em meu peito,
de sensações
amorosas e tardias.
Quero alcançar,
em mim,
o estado de embriaguez,
total,
só de pensar
levemente,
em você.
Quero ter,
em mim,
a eterna harmonia
dos amantes,
a eterna serenidade
dos poetas,
a eterna angustia
dos errantes.
Quero o infinito.
Quero o imaginável.
Quero o sonhado.
Quero......
você.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Entranhas

Hoje sonhei.
Sonhei que me via,
do alto, como se flutuasse,
e olhando para baixo via meu corpo
deitado sobre uma mesa.
Meu peito estava aberto,
de cima abaixo,
minhas entranhas estavam expostas.
A minha volta várias pessoas,
algumas amigas,
outras nunca as vi,
mas todas estavam a minha volta.
Eu podia observar meu fígado,
meus intestinos,
meus pulmões,
todos a mostra,
todos muito bem limpos e brilhantes.
As pessoas a volta olhavam,
mexiam em minhas partes exposta
e comentavam sobre o que viam entre si,
eu não escutava o que elas diziam,
mas não havia asco
ou qualquer outra reação desagradável,
acho até que havia um certo prazer
em mexerem em minhas entranhas.
Era muito estranho,
acordei assustado e fiquei pensando,
O que será isto?
A conclusão que cheguei....
me abri demais,
me expus de mais,
deixei que todos me conhececem,
por dentro,
e acho que não houve asco
no que as pessoas viram.

domingo, 13 de setembro de 2009

Sem Companhia

A qualidade não é boa, mas foi a única cópia que achei desta jóia de música de Ivor Lancelotti e Paulo Cesar Pinheiro, e que mostra muita coisa, pelo menos para mim.

Venero

Venero
o veneno das palavras
que me jogam de encontro
aos mais lindos sonhos
e aos mais escuros
cantos de minha alma.

Venero
o veneno das palavras
que me fazem crescer,
e descer aos mais escuros calabouços
de minha solidão.

Venero
o veneno das palavras
que me fazem voar
ao mais longínquo céu
e me fazem descer
ao profundo inferno.

Venero
o veneno das palavras
que me jogam
de maneira intensa
a ti,
e me tiram,
com a mesma violência,
de você.

Venero
o veneno das palavras
que me fazem sofrer,
e escrever,
o que se passa por meu corpo,
por meu coração,
por minha alma,
perdida...achada,
jogada nas emoções da vida
e nos meus erros.

Venero
o veneno da palavras,
pois sem elas
eu não poderia
viver.

sábado, 12 de setembro de 2009

A eternidade de amar

A eternidade é ali,
bem ao lado,
onde você está.
Quero viver esta eternidade,
quero sentir todas as primaveras,
todos os verões
e os invernos também,
ao teu lado,
sempre ao teu lado.
Só não gostaria
de passar os outonos contigo,
acho-o muito triste.
O outono é tempo de perdas,
e não quero mais perdas
em minha vida.

Os Sonhos

Um sonho te transforma
de rico em pobre,
de pobre em rico,
de doente a são,
de são a doente,
de menino em velho,
de velho em menino,
nunca deixe de sonhar,
são os sonhos
que te dão asas
para voar até o infinito
distante de seus pensamentos.
São eles que te movem,
são eles que te guiam,
são eles a mola mestra
de sua vida.
Nunca deixe
que seus sonhos morram,
pois se isto acontecer
você estará
morrendo também.

Parem o mundo

Parem o mundo,
não quero mais este mundo
de violência gratuita,
de arma encostada na cabeça,
ter de sair de casa
e rezar para que nada aconteça.
Quero descer.

Parem mundo
não quero mais este mundo maluco,
demente, caduco,
de gente que só fala gritando
tentando se fazer entender
em um coração distante.
De gente que só quer gritar
Sem saber o que falar.
Quero descer.

Parem o mundo,
não quero mais coração ferido,
coração partido.
Quero coração curado,
e não arrasado.
Quero descer,

Parem o mundo
não desejo mais mágoas e nem sofrimento,
quero paz e entendimento.
Não quero mais sofrer
e nem mágoas espalhar
quero só entender
o que nos faz errar.
Quero descer.

Quero descer deste mundo,
que nos leva ao submundo,
de prazer moribundo,
de doer profundo.

Quero descer.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Ofereço a ti

Tudo que ofereço a ti
são meus versos
e o meu mais puro
e sincero amor.
Nada mais te prometo,
nada mais te peço.
Só te quero comigo,
com o nosso amor
e a nossa paz.
Vamos viver este sonho
e nada mais.

Tempo de amar

Quando se diz te amo,
tudo muda,
tudo se transforma,
tudo é claro,
tudo é luz.
As coisa do amor
te jogam para outro mundo,
onde só há o prazer.
Onde há o amor,
tudo passa,
sem pressa,
com o tempo
que o amor permitir.

Nunca

Nunca pensei
em amar tanto
a uma só pessoa.
Nunca pensei
que sentiria
tanta falta de você,
só por você se afastar
por uns minutos.
Nunca pensei
que me entregaria
de corpo e alma
a uma só pessoa,
e olha que achava já tinha feito
este tipo de coisa.
Nunca mais conseguirei
viver sem tua presença,
ainda que não estejas comigo,
na forma física,
na forma de amor você sempre
estará dentro de meu peito
para que eu possa te beijar.
Nunca pensei
em sofrer tanto,
de amor ou de dor.
Nunca mais
quero sentir o que senti,
de saudades,
de perdas,
de sensações horríveis
pela tua ausência.
Nunca mais quero
te abandonar.
Nunca mais quero
ficar sem este rosto lindo
iluminando o meu dia.
Nunca mais,
Nunca.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Ia fazer um poema

Ia fazer um poema para você,
mas o poema não saiu,
a dor falou mais alto
e me mandou calar,
calar as palavras
que poderiam te machucar.

Ia fazer um poema para você
Falando de coisa bonitas,
de coisas suaves,
mas a razão me mandou calar,
não escrever nada
e outras ilusões plantar.

Ia fazer um poema para você
Mas meu coração
me mandou parar,
parar de pensar,
para de sonhar,
e para a vida acordar.

Ia fazer um poema para você,
nesta manhã de sol,
com o dia quente, abafado,
assim como o grito
de meu coração.
Calado, contido, castrado.

Ia fazer um poema para você
Mas não posso,
Não devo,
Falar de amor, uma hora desta
Não tem cabimento
e fora do discernimento.

Ia fazer um poema para você.......
Ia.

Para que vim?

Para que vim a vida?
Para vender ilusões,
para ofertar flores
e palavras,
para sangrar os corações,
o teu e o meu,
para que vim a vida?
Não tenho poderes,
Se os tivesse
parava as guerras,
as guerras não param,
elas seguem
destruindo o que se tem
dentro do peito.
Nas guerras
Os jardins são destruídos
e não mais haverá flores
e nem palavras para ofertar
a mulher que amo.
Guardarei algumas flores,
As colocarei em um altar,
regando-as todos os dias
para que não murchem
para quando te encontrar
de seus perfumes
ainda possas se encantar.
Para que vim a vida?
Para cuidar das flores?

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Envelhecendo

Não sou ninguém,
não sou nada além,
De um poeta perdido,
em seu tempo contido,
com o coração partido,
caminhando na sua emoção.
Não sou poeta,
Sou homem,
Que sonha o impossível,
Que viaja na idade,
Na velhice de seus pensamentos.
Meu rosto já está marcado,
Meus cabelos,
estão ficando brancos,
Meu corpo já mostra marcas
do cansaço da vida,
mas minha cabeça
ainda é menina,
ainda acredita
no inacreditável,
nos sonhos.
Não quero crescer,
quero só viver
esta fase eterna,
de cabeça menina,
sonhadora.
Quero ser um Peter Pan.
Pode meu corpo enrugar,
Pode minhas cãs se mostrar,
mas minha alma,
esta sempre jovem
será.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Quero gritar

Não quero ouro,
Não quero a prata,
quero a nata,
a nata do amor,
deixar-me fluir livre
pelos caminhos
que ele quiser me levar ,
passear por suas trilhas
espinhosas e buscar
o paraíso.

Não quero almíscar,
e nem o âmbar ,
quero amar,
simplesmente amar.
Quero que ouçam
o grito que tenho
guardado por tanto tempo
em meu peito,
e que um dia
ele possa gritar tudo
que tem para gritar,
e que alguém
escute este grito contido.

Não quero muito,
só quero pouco,
um pouco de amor,
pelo menos uma vez,
que já estou rouco
de tanto gritar,
para pessoas surdas
que não ouvem
o meu decantar.

Não quero nada,
só sonhar.
Será que tão difícil é
Encontrar,
a tão sonhada mulher,
e viver o amor sublime,
e amor que não deprime.
Quero gritar....

domingo, 6 de setembro de 2009

Lembranças

O tempo vai passando implacável conosco, as marcas da idade vão aparecendo em nossa pele e fazendo desaparecer em nossa cabeça as lembranças, elas acabam ficando cada vez mais escondidas pelas poeiras do tempo. Mas de repente alguma coisa nos remete a buscar estas lembranças e quando uma vem, à outra vem junto, e outra vem também, e forma uma corrente, uma torrente de lembranças. Viagens nas memórias escondidas, nos levam aos 16, 17, 18, 20 e poucos anos, e a cabeça clareia, uma luz intensa se acende lá dentro, lembranças de amigos perdidos na vida, vontade de procurá-los, mas onde, para onde eles foram levados pela vida?
Algumas músicas fazem isto comigo, possuem esta capacidade de me levar dos meus 56 anos a faixa dos 18 mais ou menos, em segundos vôo para lá. Lembro dos “bailes” que fazíamos nas casas dos amigos, cada menina leva um prato de salgado e os meninos uma bebida, era Cuba-Libre, era Hi-Fi, muito biscoitinhos salgadinhos, canapés e a chamada “sacanagem” aquele palito com cenoura, salsicha, queijo e tomate. Era muito bom, improvisávamos jogos de luz, luz negra, dançar juntinho as músicas lentas, quase não se mexia o corpo e os passinhos ensaiados nas mais rápidas...ahhhh como era bom. Não sou saudosista constante, mas de vez em quando bate uma saudade e algumas músicas me fazem o prazer de trazer estes pequenos prazeres a tona das lembranças.






Ainda minhas "viagens".





sábado, 5 de setembro de 2009

Recordando, e muito.

De vez em quando resolvo mexer em meu baú de lembranças, e estou mexendo muito nele agora, já postei Supertramp e mexendo mais fundo um pouco redescobri este cara, Rick Wakeman, quem nos anos 70 não viajou em suas musicas, Viagem ao Centro da Terra,no Reino de Rei Arthur, e em tantas outras.
Esta é uma destas preciosidades.
Viagem, comigo, neste reino encantado....

Sonhador



DREAMER, YOU KNOW YOU ARE A DREAMER
Sonhador, você sabe que você é um sonhador
WELL, CAN YOU PUT YOUR HANDS IN YOUR HEAD, OH NO!
Bem, você pode botar suas mãos em sua cabeça? oh não!
I SAID DREAMER, YOU´RE NOTHING BUT A DREAMER
Eu digo sonhador, você não é nada além de um sonhador
WELL, CAN YOU PUT YOUR HANDS IN YOUR HEAD OH NO!
Bem, você pode botar suas mãos em sua cabeça? oh não!

I SAID: FAR OUT, WHAT A DAY, A YEAR, A LIFE IT IS
Eu digo: que interessante - que um dia, um ano, uma vida é isto
YOU KNOW WELL YOU KNOW YOU HAD IT COMING TO YOU
Você sabe, bem você sabe o que estava vindo para você,
NOW THERE´S NOT A LOT I CAN DO
Agora não há muito que eu possa fazer

DREAMER, YOU STUPID LITTLE DREAMER
Sonhador, seu estúpido sonhadorzinho;
SO NOW YOU PUT YOUR HEAD IN YOUR HANDS, OH NO!
Então agora você põe sua cabeça em suas mãos, oh não!

I SAID: FAR OUT, WHAT A DAY, A YEAR, A LIFE IT IS!
Eu digo "que interessante,que um dia, que ano, uma vida é isto!
YOU KNOW WELL YOU KNOW YOU HAD IT COMING TO YOU
Você sabe, bem, você sabe o que estava vindopara você.
NOW THERE´S NOT A LOT I CAN DO
Agora não há nada que eu possa fazer;

IF I COULD SEE SOMETHING
Se eu pudesse ver alguma coisa.
YOU CAN SEE ANYTHING YOU WANT BOY
Você pode ver qualquer coisa que você quiser, garoto
IF I COULD BE SOMEONE
Se eu pudesse ser alguém.
YOU CAN BE ANYONE CELEBRATE BOY
Você pode ser qualquer um, comemore garoto.
IF I COULD DO SOMETHING
Se eu pudesse fazer alguma coisa.
WELL YOU CAN DO SOMETHING
Bem, você pode fazer tudo
IF I COULD DO ANYTHING
Se eu pudesse fazer qualquer coisa.
WELL, CAN YOU DO SOMETHING OUT OF THIS WORLD
Bem, você pode fazer qualquer coisa fora deste mundo?

TAKE A DREAM ON SUNDAY
Pegue um sonho num domingo
TAKE A LIFE, TAKE A HOLIDAY
Pegue uma vida, pegue um feriado
TAKE A LIFE, TAKE A DREAMER
Pegue uma mentira, pegue um sonhador

DREAM, DREAM, DREAM, DREAM, DREAM ALONG
Sonhe, sonhe, sonhe, sonhe, sonhe ainda...

DREAMER, YOU KNOW YOU ARE A DREAMER
Sonhador, você sabe que você é um sonhador
WELL, CAN YOU PUT YOUR HANDS IN YOUR HEAD OH NO!
Bem, você pode botar suas mãos em sua cabeça? oh não!
I SAID DREAMER, YOU´RE NOTHING BUT A DREAMER
Eu digo sonhador, você não é nada mais que um sonhador
WELL, CAN YOU PUT YOUR HANDS IN YOUR HEAD
Bem, você pode botar suas mãos em sua cabeça?
OH NO! OH NO!
Oh não! Oh não!

Ainda sou

Ainda sou poeta,
o meu poeta.
Fecharam minha boca,
mas meus olhos estão livres.
Meus poemas
são para minhas amadas,
que cantam comigo
as minhas canções.
Meus poemas são simples.
Falam de coisas da vida,
da vida perdida,
do tempo passado,
falam de mulheres mortas,
ou ainda não nascidas.
Falam de enfeites da alma,
falam de perfumes,
da essência.
Ainda sou poeta,
e não quero calar,
se calar minhas asas fecham
formado meu esquife.
Deixe solta minha alma.
Deixem soltas minhas asas.
Deixa solto meus pensamentos.
Minhas amadas me cercam.
Sinto o cheiro dos seus corpos,
e seus cantos místicos
invadem meus ouvidos,
despertando todas as palavras
que estão em mim.
Não mataram o poeta,
não mataram meus poemas,
mataram minha amada.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Lágrimas Teimosas

Por você
derramei minhas lágrimas
de dia, de noite, de madrugada.
Minhas lágrimas escorreram,
mesmo eu não querendo
demonstrar o que sinto.
Elas tentam me dizer
que tenho de ter forças
para suportar
esta dor enorme
que está em meu peito.
E elas teimam em rolar.
A qualquer hora,
por qualquer coisa.
Não suporto mais viver
a vida deste jeito.
Até quando terei lágrimas
para chorar esta saudade?
Até quando suportarei
viver a vida sem você?

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Para pensar no que é "crescer".

Acordar

Não ousaria pensar
que sou alguém.
Sou insana mente,
colorindo mundos alheios,
semeando ilusões.
Sou sombra passageira,
a que não marca,
a que não surge na luz do sol.
Sou vaga lembrança
cheio de esperança
de que um dia,
tudo mude.
O corpo pensa que o amor
existe de fato,
com cumplicidade,
sem amarras,
a alma diz que não,
é só mais uma ilusão.
Meu coração está cheio de pegadas
de amores impossíveis,
sonhados, distantes,
que me fazem crer piamente
no improvável.
Quero acabar com minha dúvidas.
Preciso acordar,
a cor dar a minha vida.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Mudanças

Preciso,
sorrir mais,
ler mais poemas,
muitos mais,
cantar um pouco, talvez,
conhecer gente nova,
fazer novas amizades,
viajar, nem que seja para bem pertinho,
e se for o caso sozinho,
se eu não for
uma boa companhia para mim,
não serei para mais ninguém.
Chorar também,
as vezes, para me lembrar
que nem tudo são flores.
Passar a observar as coisas simples
Que a vida proporciona
e não achar simplesmente
que tudo é parte constante
do cotidiano.
Olhar o mar,
sentir o vento batendo no rosto
em um píer qualquer,
me perder de olhar as ondas
baterem nas pedras.
Comer o que for saudável
e o que não for, de vez em quando.
Preciso mudar,
chacoalhar meu mundo,
senão morro sentado.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Desejos

Quero minha mão atrevida
desvendando teu corpo.
Quero te encher os ouvidos
de tanto dizer TE AMO.
Quero te sentir desfalecendo
de tanto amar.
Quero me sentir senhor absoluto
de toda a doçura que tens.
Quero provar a toda hora
o teu mais doce néctar.
Quero sentir minha boca
ocupada contigo todo o tempo.
Quero que este meu mais belo sonho seja eterno.
Quero me perder de tanto te olhar.
Quero me banhar em teu suor.
Quero sentir todos os teus cheiros.
Quero os mais ardentes desejos.
Quero os teus mais quentes beijos.
Quero o teu fogo.
Quero respirar todo o ar ofegante que buscas.
Quero culminar em nosso prazer.
Quero me perder em você.
Quero te prender em meus braços.
Quero me prender em tuas pernas.
Quero, agora, ficar em silêncio,
e deixar que nossos corações falem
o que eles tem para falar
um para o outro.
no silêncio do depois.
Quero te amar sempre,
e outra vez.
Quero....

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Hoje aprendi

Hoje aprendi que calma
é fundamental.
Aprender a se controlar,
ou deixar que uma força superior
te controle
e não brigar com ela,
é essencial.

Hoje aprendi que a vida é muito bela
e por mais que dificuldades
nos apareçam,
devemos levantar a cabeça
e enfrentá-las.

Hoje aprendi que
minhas dores não são nada,
que minhas desilusões são passageiras,
que minhas ânsias só existem em mim.

Hoje aprendi a receber um vento no rosto,
e mesmo que ele traga
algumas pequenas pedras
e estas te caiam nos olhos,
ótimo, limpe seus olhos
e volte a enxergar.

Hoje aprendi que ter amigos,
pessoas que se preocupam
contigo é maravilhoso.

Hoje aprendi a cantar,
mesmo que seja um canto de sereia,
cante não deixe a oportunidade passar.

Hoje aprendi que estar vivo é ótimo
e que não estar sozinho é melhor ainda.

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Mil

Quase mil visitas, nunca pensei que chegaria a este número.
Comecei a postar por brincadeira, para deixar um pouco de mim,
do que penso, do que sinto, do que se passa nesta cabeça doida.
E a coisa cresceu, para alegria de uns e não tanta alegria para outros.
Mas, tanto a um alegre, quanto a outro não tão alegre, agradeço
por partilhar de minhas palavras, sonhadoras, infantis, tristes,
palavras que possuem asas, asas descartáveis que são deixadas de lado
a cada fim de um novo poema.
Não pretendo e nunca pretendi, ser um escritor, não, longe de mim,
sou somente um escriba.
Mil.....mil coisas, mil vezes, mil emoções, mil lágrimas, mil....
Mil beijos a vocês que aqui estiveram.
Mil abraços para os que passaram ao lado.
Mil vezes obrigado pela visita, e volte sempre.

Older

Aconchego

Vem...
Aconchega em mim,
Deixa sentir um pouco de teu calor
em meu peito.

Vem....
Aconchega seu corpo no meu,
encaixa direitinho,
e passaremos a ser um só.

Vem....
Aconchega seus sonhos nos meus
para que possamos viver
nossas fantasias juntos.

Vem...
Aconchega seu lábios nos meus,
lentamente deixa que eles se descubram
e fiquem procurando se aconchegar.

Vem....
Aconchega....
Só aconchega.....
e não fala nada mais.

Sempre quis

Sempre quis te dizer,
em forma de poemas
ou de palavras soltas,
o quanto é grande
o amor que sinto,
acho que não consegui dizer muito
ou então escrevo complicado demais
para você entender.
Algumas vezes
pensei em dizer
Te Amo,
outras pensei dizer
Te Amo Muito.
E te disse,
já que nas minhas palavras
você não percebeu.
Em forma de pensamento,
em gestos carinhosos,
em pequenos agrados,
em presentes,
em flores,
mas de nenhuma forma
percebeste.
Agora não clamo
ou exclamo mais,
só te olho,
nos olhos,
e digo
Te Amo,
no olhar.

Day after

Após as bebidas e comemorações, quero ficar do tamanho da paz.

Vendedor

O que sou?
Além de viver
de meus sonhos e encantos,
eu os espalho por todos os lugares
em que passo,
na esperança de que brotem
em sonhos e encantos
cada vez mais lindos.
Hoje eu deixo sonhos,
ilusões e romances,
a quem estiver disposto a receber,
a quem estiver disposto de ganhar
um par de asas,
e voar comigo
ou em meus caminhos seguir.
A minha vida
eu não troco por nada,
a minha felicidade não tem preço,
já coloquei preço demais nela
e a vendi muito barato.
Pode ser que para você
eu a venda por um troco qualquer,
ou até nem venda,
te dê ela todinha.
Olhando bem para trás,
vejo que sou péssimo negociante,
comprei muita coisa,
quase nada vendi,
quase nada troquei,
só doei,
doei muita coisa.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Hoje...só Cecília Meireles.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Amo-te.

Amei-te ontem,
Amo-te hoje,
Amar-te-ei sempre,
simplesmente assim,
te amo.
E de tanto te amar assim,
encontrei o amor total,
e deste amor total
fez-se o encontro mais lindo,
pronto, em teu corpo
me fiz presente,
e você, se fez
mais presente ainda
no meu.
Nos demos com tal encanto
que agora está difícil
nos separar-nos.
A saudade, de nós,
nos mata a todo instante.
A distância que nos separa
e rompida com um simples, alô.
Basta esta palavrinha
para nos colocar frente a frente,
um olhando no olho do outro,
um tocando no outro.
Vivemos,
como se estivéssemos sempre
cruzando pontes,
ou em um mercado persa
nos aromas das especiarias.
Embriagados de aromas
e distâncias.

Saindo

Vou tirar o luto,
não mais me vestirei de negro,
enxugarei as lágrimas ,
levantarei a cabeça
De nada adianta isto.
Segues manipulando,
Jogando-nos nos abismos,
e depois estendendo a mão
para ajudar.
Segues fazendo as cortesias
com os chapéus alheios.
Segues atuando
em seu palco iluminado,
é assim que gostas de se sentir,
sobre holofotes.
Não sabem, uns tolos,
que por trás
de uma grande peça teatral
existem os bastidores
que dão sustentação
ao que é apresentado
e que ao público tanto
se encanta.
Não quero deixar a raiva
tomar conta de mim.
Não quero deixar-me tomar
por gestos que irão provocar ira.
Não quero vingança,
quero viver
E ser feliz.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Fim

Nunca saberás,
de minha boca,
o quanto de mal
me fizeste.
Nunca receberás,
de meus olhos,
um olhar
de desprezo.
De meus braço
sempre espere
uma ajuda.
De minha boca
aguarde sempre
uma palavra
de afeto,
Em meus olhos
estarão reservados
sempre,
olhares de bondade.
Meu caminho
não é mais o teu,
eu me fui,
você se foi,
só ficaram as pegadas,
no chão de poeira seca,
que o vento
se encarregará
de apagar.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Confusões

Só existem confusões.
Toco poemas.
escrevo canções,
declamo teoremas.

Cheiro as jarras,
Corto as flores,
Me ato de amarras,
Me livro de amores.

Tudo porquê esqueci de mim.
Tudo porquê me dei a ti.
Tudo porquê deixei assim.
Tudo porquê me abati.

Mas no meio desta confusão
Me descobri,
Deixei livre meu coração,
Deixei de mim, tu partir.

Não olho o céu a noite,
nuvens escuras podem haver.
Prefiro lua e estrela resplandecer,
devo voltar a escrever.

Falar de mim,
Do que passei.
Falar assim,
Do que vivenciei.

Um dia, quem sabe perdida,
por uma estrada da vida,
um poema meu você possa achar
e dele ainda se encantar.

domingo, 23 de agosto de 2009

Estranho?

Afastei-me muito de mim.
Fiquei atrasando minhas coisas.
A confusão de estar perdido
me fez trilhar outros caminhos,
que não eram os meus.
Tento agora percorrer
o caminho de volta,
tentar me encontrar,
voltar a ter o meu caminho.
A verdade é que
não estou mais em mim,
estou em outro corpo,
a minha alma pode até
ser a mesma,
mas não me reconheço mais
quando me olho no espelho.
O que fiz comigo?
O que deixei fazerem comigo?
Durante um tempo
me fiz marionete,
manipulado ao gosto
do manipulador.
Será que alma ainda tenho?
Aos espelhos
não adianta quebrá-los,
sempre estarei refletido,
em um caco qualquer,
um ser que não sou eu,
um estranho ser.

sábado, 22 de agosto de 2009

Corações distantes

Não deixarei a mim,
quando não mais
estiver aqui.
Deixarei minhas palavras,
simples, doces, ávidas.
Deixarei as minhas palavras,
tristes, saudosas, sonhadoras.
Deixarei aqui,
ou em qualquer outro lugar
que não seja o meu coração,
as minhas palavras ficarão.
Algum dia, alguém as lerá,
e perguntará,
Porquê tanto sonho?
Porquê tanta dor?
Porquê tanta solidão?
Porquê tanto amor?
Será que ninguém conseguiu
compreender estas palavras
e aplacar esta angústia toda?
Então, lhes falarei agora, sim!
Minhas palavras foram compreendidas.
Minhas palavras foram bem-vindas.
Minhas palavras foram acolhidas.
Minhas palavras foram vividas.
Só que por corações distantes,
corações que sempre estiveram
do meu lado,
mas não no plano físico.