segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Esperanças

Me tranço
de versos e prosas,
me enrosco
nas palavras
escritas ao vento.
Tão perdido
neste mundo utópico estamos,
eu e você,
e a quem mais nos segue,
mesmo que de longe.
Um raio de sol
surge todos os dias
por detrás das nuvens
carregadas
de nossos medos.
Tento me lançar
nesta aventura,
navegar por estes mares
antes bravios
e que aparenta calma.
Espero o vento
que me levará na certeza
de novos caminhos.
Não quero remar sozinho,
mais uma vez,
fazer esforço solitário
pra movimentar nosso barco
e sair desta inércia.
Espero o vento benfazejo.
Tenha calma,
ele poderá vir.

3 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

É claro que o vento virá, e você vai navegar por todos os mares.
Abração

Majoli disse...

Gosto tanto de te ler meu amigo.
É como se sentisse você, seu coração, sua alma.
Você consegue passar de forma marcante o que escreve.

Que venha esse vento e te leve a flutuar por caminhos lindos, você merece.
Beijos no teu ♥

paula barros disse...

Tem momentos da vida que não dá para remar sozinho. Em outras a gente rema sozinho e segue o próprio rumo. Sempre ter calma e serenidade.

abraços