segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Confusões

Só existem confusões.
Toco poemas.
escrevo canções,
declamo teoremas.

Cheiro as jarras,
Corto as flores,
Me ato de amarras,
Me livro de amores.

Tudo porquê esqueci de mim.
Tudo porquê me dei a ti.
Tudo porquê deixei assim.
Tudo porquê me abati.

Mas no meio desta confusão
Me descobri,
Deixei livre meu coração,
Deixei de mim, tu partir.

Não olho o céu a noite,
nuvens escuras podem haver.
Prefiro lua e estrela resplandecer,
devo voltar a escrever.

Falar de mim,
Do que passei.
Falar assim,
Do que vivenciei.

Um dia, quem sabe perdida,
por uma estrada da vida,
um poema meu você possa achar
e dele ainda se encantar.

2 comentários:

Ava disse...

Older, meu amigo...

Podexá... Te mostro onde fica, se encontrar...rs


E assim vamos semeando nossas palavras... vão ficando pelo caminho... algumas, talvez germinem de dêem belos frutos... outras secarão, na falta de agua e de luz...de cuidados especiais.. de carinho...

Só o tempo nos mostrará o resultado...

Beijo carinhoso...


Linda semana para voce!

Ariana disse...

Lindos versos, emotivos, profundos, sensíveis!
É, a vida é esse eterno aprendizado de emoções...
E quantas delas ainda iremos passar.

Beijos e boa semana pra ti!