terça-feira, 11 de agosto de 2009

Mudez

A minha poesia
nada mais falará.
A minha poesia
tornou-se muda.
Tudo já te disse.
A minha poesia
não vai anunciar
nada mais,
nem mesmo
minha morte.
Minhas palavras
não tem mais
sentido algum
se você não mais
as ouve.
O ninar dos sonhos é inútil,
é como embalar
criança morta.
Os movimentos
de minhas mãos
estão perdidos.
Só silêncios
serão agora
pronunciados,
mansamente.
Tenho tantos
pedaços perdidos
que será necessário
a eternidade
para junta-los.

Um comentário:

Ava disse...

Older, como não gostar de toque, pele... de carinho... de calor... de desejos...

Somo assim... podemos até nos conter...rsrs

Mas que é bom, é, e muito...rsrs

Querido e essas suas palavras, que tomam forma de poema, e desaguam rios de emoções?

Essa sensão de falar ao vento... isso é horrível!
Quando percebemos que nada de fazemos, dizemos ou escrevemos acham seu destino final...rs

Mas por teimosia, continuamos...rsrs
Afinal, não dá para segurar tantos sentimentos...

Adorei ver voce por lá....

Beijos e carinhos!



PS: Esses pedacinhos... faça um lindo mosaico... verá que nada foi em vão...rs