sexta-feira, 2 de outubro de 2009

O Tempo

O tempo passa,
só não passa
a ferida no coração.
Um coração que era cheio
de flores e encantos....
Era, eles agora
não existem mais.
Nenhum encanto,
nenhuma flor.
O tempo reduz,
a cada segundo,
o tempo de vida
e a tentativa de recuperar
o coração também se esvai
com o tempo.
O meu tempo.
O teu tempo.
O nosso tempo.
Passa muito rápido,
e não nos demos conta dele.
Nos deixamos embalar
pelas armadilhas
que o tempo nos traz.
Quando percebemos
o tempo já passou.
Quando percebemos
nos distanciamos.
Quando percebemos
ficaram só as feridas,
e não mais,
as doces lembranças.

2 comentários:

Luciana P. disse...

Olha, Older, lendo esses versos, pensei uma coisa: é difícil guardarmos doces lembranças, principalmente quando se referem a um amor que se foi, que não existe mais... ficam é feridas mesmo, a serem cicatrizadas, fica uma sensação incômoda de vazio, fica um desconforto cada vez que se lembra da pessoa...
Quem dera pudéssemos apagar o que de ruim ficou e só termos as lembranças doces...
Adorei a poesia!

Beijos!Bom final de semana!

Ava disse...

Esse desencantos, Older, as vezes minam nossas reservas de esperança...

Mas a certeza de que a qualquer momento um doce sorriso vai iluminar novamente nosso rosto, não pode nos abandonar nunca... Senão corremos o risco de ficarmos amargos...

As feridas cicratizam... demoram, mas cicatrizam...

Beijos na alma...