sábado, 10 de outubro de 2009

Dançando

Sou o que sou
porquê um dia
o coração amou,
e por isso sou
o que sou.
Dançando na solidão,
tenho todo o salão
de meu peito vazio,
para rodopiar a vontade
com a desilusão.
De tanto rodopiar
fico tonto
e vem amargura,
preciso de uma água, pura,
para voltar a compostura.
Chega de dançar.
Chega de rodopiar.
Chega de tonto ficar.

4 comentários:

Majoli disse...

Older, ontem rabisquei algo sobre a dança solitária, devo postar hoje ainda, se as dores deixarem.

Ando me encontrando muito no que você escreve, penso que nossos corações andam amando demais.

Beijos meu amigo e um bom sábado pra você.

Branca disse...

...Dançando na solidão,
tenho todo o salão
de meu peito vazio...
Que triste isso! A solidão sufoca...dói demais...


Bom fds pra vc!

Elcio Tuiribepi disse...

A solidão é pior quando estamos acompanhados e mesmo assim a sentimos, pois solidão é uma coisa muito pessoal, intima e porque não dizer solidária aos nossos pensamentos e desejos...
Um abraço na alma amigo...belo e sentido poema...

Deusa Odoyá disse...

Older querido.
Mais um poema na qual enquadras a solidão, mas a pior solidão mesmo é a da alma , essa sim destrói nossos sentidos.
Uma semana de muitas realizaçoes e luz.
Regina Coeli.
Fqiue na paz.