segunda-feira, 1 de junho de 2009

Minha pena

Minha pena,
é muito pequena
para escrever tudo
que tenho para te dizer.
Palavras, borbulham as centenas,
levando-me da alegria plena,
a dor obscena.
Procuram luz,
minhas palavras,
como se fossem mariposa,
em volta da luz.
Insistente,
em minha mão pequena,
minha pena,
com inspiração nazarena,
escreve como novena,
palavras de uma paixão serena.
Minha pena,
em sua ansiedade,
e sem pena,
traça em minha alma,
cicatrizes que não querem fechar,
que me fazem a todo tempo lembrar
o quanto sou frágil
nas coisas relacionadas ao amor.
O amor esconde em suas asas
uma espada afiada que nos fere,
que nos sangra.
É um caminho escarpado
que todos buscamos trilhar.

Nenhum comentário: