quinta-feira, 11 de junho de 2009

Liberdade

Não me disponho mais
aos teus açoites.
Não mais serei o teu escravo.
Quero liberdade.
A minha liberdade.
Não mais verás meu sangue
sendo derramado em vão.
Não mais rirás
de minhas lágrimas roladas.
Quero a paz.
A minha paz.
Serei agora
aquele que quebra as correntes.
Aquele que grita pelos campos.
Aquele que busca o impossível.
Que o tormento se acabe.
Que as lágrimas rolem.
Que o sangue escorra.
Que estas escolhas sejam minhas,
só minhas,
a partir de agora.
Que minhas palavras,
encontrem eco
em um coração amigo.
Que meus desejos,
sejam concebidos.
Que todo meu amor,
possa ser retribuído.

Nenhum comentário: