domingo, 15 de março de 2009

E quando você se foi

E quando você se foi,
eu não estava preparado.
Senti um baque no corpo,
uma perda de alma.
Você tinha de ir
e me deixou para trás.
Preocupou-se como eu estava,
mas tinha de ir.
Era preciso.
A saudade deixada,
junto com a perda,
fez um estrago enorme
e não teve reparação,
não teve nada que conciliasse
meus pensamentos.
A chaga sangrava,
sem dó,
eu chorava calado,
sorrindo,
para você não perceber
o quanto me causava sua falta.
Até hoje a ferida sangra,
de maneira suave,
na calada da noite,
mas você se foi,
era preciso.
O tempo se encarrega
de fechar as feridas,
dizem alguns,
para outros o tempo
só sangra mais as feridas.
Temos de conviver
com nossa feridas
por mais que elas doam,
temos de conviver.

Um comentário:

Marlene disse...

Esse é bem direto Older! Um amor maior que abnega! Será que um dia eu teria essa maturidade??? Te convido para visitar
http://nasunhasesmaltepreto.blogspot.com/
Gostaria de sua opinião!
beijos