segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Um beijo, um abraço, é uma saudade que vai, é uma esperança que fica de poder ainda sentir paixão.
Ninguém pode conviver sozinho com a beleza que é capaz de perceber.
E quanto a nós dois que buscamos o Absoluto, e que construímos um jardim usando nossa própria solidão, a Vida nos deixou a imensa paixão para aproveitar cada instante, com toda intensidade.



Khalil Gibran para Mary Haskell em 10/11/1911.



Texto do livro Cartas de Amor, de Khalil Gibran e adaptado por Paulo Coelho

Nenhum comentário: