segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Um dia

Um dia serei só pó, cinzas,
lembranças de alguém que passou
e deixou um mundo de ilusões e irrealizações.
Que deixou sonhos por acontecer,
pois não adormeceu o suficiente,
não soube dormir e repousar tranquilamente.
Meus beijos, que eram teus,
estarão perpetuados em meus versos.
Meus abraços, que sempre foram teus,
estarão perpetuados nas lembranças que terás de mim.
Vou querer voltar, mas não saberei como,
não saberei por onde vim e nem para onde vou.
Serei só uma sombra,
uma lembrança de um passado doce,
uma doce lembrança em ti.
Canta minhas canções que deixei em teu coração
E as cantarei também, esteja onde estiver.
Irás, com certeza, conhecer alguém,
talvez tão bom quanto eu, ou até melhor,
que possa te dar as felicidades que não pude,
que possa te dar os amores que me foram tolhidos,
que possa te levar a outros mundos mágicos
como os que eu conheci,
como os mundos que você levou-me.
A este alguém não fales de mim,
não digas sobre minha existência,
esqueça de dizer-lhe como eu era,
pois eu sou um só, um só ser,
que deixou lembranças,
e levou lembranças fortes.
Levarei a ti, guardada em meu peito,
Como a mais doce memória de vida,
Como um sonho,
Como uma deusa,
Como uma fada, encantada.
E saberemos, só nós dois,
O quanto de cumplicidade tínhamos,
quanto de confiança dedicamos
Quanto de amores trocamos.

Nenhum comentário: