quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Imensidão

Ao te encontrar na vida minha
Acordei, em mim, a quem dormia,
Juntos suspiramos,
Juntos, o mesmo ar respiramos
o impossível almejamos,
o improvável amamos.

A vida colocou juntos, sonhos e vida.
Eu era primavera no deserto,
Sem flores para abrir, sem sementes a nascer
Era como água de rio batendo nas pedras,
incessantemente e sem respostas.
Só eu produzia som.

Você toca, dentro de mim,
uma musica suave, plena.
E minha vida se completa.
Canto para ti e cantar é tudo que preciso.
Cantar para ti é renascer a cada novo dia
É encontrar felicidade.

Você plantou em mim saudades
E agora tem de colhê-las.
São muitas, o trabalho será longo,
E cansativo, mas prazeroso.
Você, canção de minha vida
Saudade de minha saudade

Não me deixe correr como rio sem rumo.
Não me deixe como barco em calmaria.
Deixa-me em mim, como estarei em ti,
Calmamente, adormecido,
Com um sorriso nos lábios
Sentindo toda a imensidão do amor.

2 comentários:

Marlene disse...

OLDER ESSE POEMA É MUITO REVELADOR! Na minha claro leiga opinião ele segue contando uma história de amor, amigo, não revelado. Talves este poema seja quase uma aceitação do fato de ser como está. Não esse amor não é platônico...mas bemmmm ah deixe me ler mais um pouco!
Beijos

BRITO disse...

Meu especial amigo Older, mt admirável esse lado poético, parabéns pelas tocantes poesias, gostaria de ter uma fração dessa sua sensibilidade, a natureza nesse ponto, colocou longe de mim essa virtude, talvez seja porque meu nível de testosterona ainda anda muito elevado. bjusss