terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Por onde

Por onde vou, assim, calado,
De olhos baixos, quieto,
levando minha dor.

Por onde vou, assim, triste,
Olhos mareados,
Alma sofrida, peito rasgado.

Por onde vou, assim, perdido,
Totalmente perdido,
Com um vazio enorme dentro de mim.

Por onde vou, assim, não importa.
Importa sim quem levo comigo
Neste meu caminhar entre brumas em noite sem lua.

Levo comigo paixão.
Levo comigo amor.
Levo comigo outra alma perdida.

Não queria deixar , assim, tanta dor em peitos alheios
Não queria deixar, assim, em outros olhos lágrimas que são minhas.
Não queria deixar, assim, meu coração em teu peito.

Mas deixei e você deixou o seu comigo
Agora sofremos tentando pegar de volta o que nos pertence, o que trocamos
E querem nos abortar, um do outro.

Levarei para sempre em meu peito o teu peito.
Levarei para sempre em meus olhos os teus olhos.
Levarei para sempre você em mim, mesmo que morra por isto.

Um comentário:

Marlene disse...

Lindo e sofrido! Meu c oração até encolheu Older! é impossível e não platonico e correspondido porém proibido, na verdade, não é bgem esse o termo, pois existe cumplicidade, mas paraece decisão tomada de comum acordo, manchada pela dor e pela saudade e lamento... Dá pra dizer muito mais...
Beijos