sábado, 17 de maio de 2014

Vivendo de sonhos




Enfim já cai a noite,
Com o seu negro manto.
A tudo vai envolvendo,
A tudo vai sossegando.

Aos poucos a vida para,
Da balburdia que havia.
Devagar a voz que fala,
Vai virando covardia.

No céu o brilho vem,
Espalhando poesia.
Encantando a um alguém,
Que só pensa fantasia.

O corpo vai se desligando,
Como se a vida deixasse.
O sono aos poucos chegando,
Você vai perdendo este embate.

Em um novo mundo entras,
De sonhos e encantamento.
Nova vida reinventas,
Para viver neste momento.

Nesta nave tão escura,
Nada tem que se fazer.
Não existe amargura,
Só o intenso prazer.

Quando o dia se aproxima,
Tudo vai se acabando.
E o teu sono, viu  menina,
Vai aos poucos se guardando.

Esperando noite escura,
Para enfim ver renascer.
O teu sonho de candura,

Que vai de novo viver.

Um comentário:

brisonmattos disse...

E aquela lua de ontem, hein? Que lua!
Imagino o seu encantamento pela noite pelas poesias que escreves.