segunda-feira, 5 de maio de 2014

Morrendo




Já não sei inventar,
Poemas como antes.
Acho que estou a secar,
Minha alma de amante.

Os olhos já não me mostram,
o que há na vida de beleza.
Os pensamentos já não se enroscam,
Como eram por natureza.

O sol já não mais brilha,
Como a vida toda brilhou.
A vida não é mais trilha,
Meu caminho se apagou.

A ilusão foi ao pó,
E meu corpo se entristece.
Desfazer este bendito nó,
é coisa que não acontece.

Nas veias não corre poesia,
Na palavra só mora a dor.
Vai voando a fantasia,
E eu fico sem cor.

Agora ferem as lembranças,
em forma de lágrimas sangrando.
Um futuro de esperanças,
foi  devagar se apagando.

Que minha alma regresse,
e me traga contentamento.
Pois na vida que só anoitece,
Acabo aos poucos morrendo.

Nenhum comentário: