quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Coração Falante




A palavra vem calma,
Nasce onde for.
Floresce na alma,
Sem pé e sem dor.

Não tem contexto,
Não tem variação.
É somente um pretexto,
para falar o coração.

Deixa ele falar,
Falar o que quiser.
Não adianta fazê-lo calar,
Ele falará de um jeito qualquer.

Seu jeito simples de se expressar,
Pode a todos não agradar.
Mas a perfeição não faz incomodar,
Ele, que mudo, se fez ficar.

Com tanto para dizer,
Quase morreu mudo.
Perdeu seu prazer,
Quase que acaba tudo.

Vai falando pelos cotovelos,
Embora não os possua.
A língua embola como novelo,
Só desenrola na gazua.

Cala a boca,
Mas não cala o coração.
Não será por coisa louca,
Que acabará a emoção.

Obs.: com esta, são 1000 escritos ditos por este coração e publicados neste blog. 

Um comentário:

brisonmattos disse...

Parabéns pelos mil versos. Você tem o talento de quem escreve com o coração.