quarta-feira, 1 de julho de 2009

Poço

Afundas em um poço
de amarguras,
de silêncios,
de cóleras.
Tentas voltar para cima
e nada trazes
deste teu mergulho,
nem um pouco de ti
resta mais
para apresentar.
Não é neste poço
que está o amor,
é fora dele,
ao lado,
bem ali,
naquele jardim.
Saias destas águas,
seca-te,
e busca,
ali,
ao lado,
o que procuras.

Nenhum comentário: