quinta-feira, 31 de julho de 2014

Encontro



Eu sorri sem querer,
Assim que logo te vi.
Não sabia o que fazer,
O que falar, então sorri.

Você, por sua vez,
Era total alegria.
Como um conto talvez,
De eterna fantasia.

Aos poucos nos chegamos,
E um leve aperto de mão.
A vontade era dos sonhos,
Como pulava o coração.

Algumas palavras tolas,
Tentando quebrar o gelo.
Duas pessoas bobas,
Consertando o seu erro.

Era maior a vontade,
de um abraço apertado.
Um beijo escarlate,
daqueles de filme musicado.

E não demorou assim tanto,
até que a vontade venceu .
Então  um olhar de encanto,
e todo amor  se rendeu.

Perdemos tempo demais,
escondendo o que se sentia.
Vamos deixar para trás,
Esta coisa de monotonia.

Vivamos o que nos resta,
De nosso tempo de vida.
Esquecendo o que não presta,

e curando nossas feridas.

Um comentário:

brisonmattos disse...

Qualquer um que ler essa linda poesia vai se identificar, afinal mudam-se os endereços mas as histórias de vida se parecem.
Tenha um bom dia.