quarta-feira, 30 de julho de 2014

Tempo perdido


Não contei os dias,
que se foram pelo ar.
Não conquistei fantasias,
que teimavam em voar.

Não refiz meus projetos,
que do papel não saíram.
Não joguei fora objetos,
que quebraram, ruíram.

Criei tantas esperanças,
que fumaça viraram.
Planejei tantas andanças,
que meus passos acabaram.

Agora estou perdido,
sem ter por onde ir.
No céu um olhar fugido,
sem um coração a sorrir.

E achando que retinha,
todos meus anos passados.
Que nada era historinha,
que contava para ser enganado.

Fiquei sem meu passado,
e também sem o meu futuro.
O presente me é jogado,

e eu só vou vivendo, eu juro.

Nenhum comentário: