quinta-feira, 17 de julho de 2014

Destino





O meu destino ordena,
Não vais experimentar esta parte.
Morrerás em um mundo de pena,
Sozinho, e sem alarde.

Deixando este amor enorme,
Guardado somente contigo.
Neste coração ele dorme,
E assim não corre perigo.

Reclamas e me condena,
Pelo que está escrito.
Esta sua vida é pequena,
Para este amor tão bonito.

Quando chegas aflitivo,
Já não há mais solidão.
Sou bem do que altivo,
Neste amor de emoção.

Óh destino me entenda,
Não existe esta saudade.
Você faz com que me prenda,
Em um poço de maldade.

Na palavra envelhecido,
E com teu vestido no chão.
O destino é meu inimigo,

Destas coisa do coração.

Nenhum comentário: