quinta-feira, 24 de julho de 2014

Ser Errante




De repente tudo ficou cinza,
Ou meio que escurecido.
Um pouco de luz ainda,
Mantém o corpo aquecido.

As cores ficaram pálidas,
Como se quisessem sumir.
As mãos que me eram cálidas,
Fecharam por desistir.

A nebulosidade toma a mente,
Não me deixam pensar direito.
Será reflexo do que se sente,
Por não alcançar o perfeito.

É estranho tudo isto,
Que se passa com a gente.
Por um tempo um sumiço,
E a volta diferente.

Estranho não me conheço,
Sem te ter aqui por perto.
É como criança sem berço,
Ou como ninar um feto.

Quero o cinza colorir,
Como tudo era antes.
Se você de vez sumir,
Só me resta ser errante.

Nenhum comentário: