quinta-feira, 3 de julho de 2014

Adormecido sonho



O passado dorme no sonho,
Mas nunca será esquecido.
È com ele que me componho,
Ao falso sonho vivido.

Ainda de forma velada,
a noite é quem impera.
Viver este conto de fada,
E tudo que se espera.

Na dolorosa paixão,
De viver em quatro cantos.
Vai crescendo a solidão,
E a noite me joga seu manto.

E o real fictício,
Ocupando o todo real.
Sem derramar artifício,
Desenha o mesmo final.

Do sonho que dorme pesado,
Cansado de tanto sofrer.
É o mundo a ser levado,
No que restou para viver.


Um comentário:

brisonmattos disse...

e eu hein?
Eleve-se!