terça-feira, 9 de outubro de 2012

Noite de luar




Arrastando minhas culpas,
Vou levando meu caminho.
Já não há mais desculpas,
Para se viver sozinho.

Pode não ser o paraíso,
Que tanto foi sonhado.
Também, não é o infinito
De um mundo acabado.

O vagar do pensamento noturno,
Buscando por uma pousada.
Achou repouso seguro,
Um lugar de uma parada.

O amor não percebeu,
O quanto foi longe.
Quando no tempo se perdeu,
Viu que não havia horizonte.

Deixei aberta a janela,
Para em uma noite de luar.
Esta lua que é tão bela,
Ficasse em teu lugar.

Nenhum comentário: