segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Mudanças




Não quero ser domador,
Do que passa pelos meus dedos.
Só quero disfarçar a dor
E esconder alguns dos medos.

Abafar, quem sabe um pouco,
Este grito tão aflito.
Que deixa o peito rouco,
E o corpo dolorido.

Viajar em lembranças,
Que tanto me fazem bem.
Correr feito criança,
E dar adeus pr’um trem.

Talvez, um pouco leve,
Ser tocado pelo vento.
Passeando onde se deve
Tornando o momento lento.

Pensamentos tolos,
Idéias endoidecidas.
Mudam a parte de um todo,
Mas não mudam o sentido na vida.

Nenhum comentário: