sexta-feira, 17 de abril de 2009

Não me culpes

Não me culpes
por amar
deste meu jeito,
a ti.
Meu amor censurado,
É enclausurado,
Por ti,
Em cela perdida,
em meu peito ignorado.
Tens a chave
que abrirá a cela,
e deixará livre este amor.
Só que não queres a porta abrir,
Queres mantê-lo lá,
Cegado,
só quando desejas um pouco dele
é que o visita,
de maneira velada,
para que ele não a veja,
para que ele não veja o quanto
necessitas dele também.
Então não me culpes,
Por me abandonar.

Nenhum comentário: