segunda-feira, 6 de abril de 2009

Chamado

Ouvi,
no canto da noite o teu chamado.
Chamavas por mim.
Eu, logo eu, que tanto pedia paz.
Vozes profundas
tentavam abafar seus chamados,
mas eu o ouvia.
Sua voz era trazida pela brisa fresca
da noite de lua cheia.
As palavras de doçura que dizias
só me encantavam cada vez mais
Trazias harmonia para minha alma.
Seu canto era suave
Sobre o silêncio noturno
O orvalho refrescava meu rosto
No meu caminhar a tua procura.
Seu canto de luz iluminava meu trilhar,
Mas não conseguia te ver.
Procurava por você
E não conseguia te ver
Abandonado, perdido, incompreendido,
Chorei de amor e tristeza.
E em meu coração permanece a tua voz,
A tua grande voz que encantou-me na noite.

Nenhum comentário: