sábado, 30 de agosto de 2014

Verdadeiro sabor



Não tenho mais o teu rosto,
Com o meu  esbarrando.
Eu ainda sinto teu gosto,
Que em mim vai morando.

Eu vejo a calma,
De olhos tristes.
Eu cego na alma,
O que não resiste.

As mão são paradas,
A fala não sai.
O som de quem fala,
No coração se esvai.

Porque a mudança,
Do tudo que é belo ?
Vender esperança,
Ou botá-la no prelo ?

Não vejo teu rosto,
Mas sinto teu cheiro.
Do beijo o gosto,
É mais verdadeiro.

Nenhum comentário: