sexta-feira, 7 de março de 2014

Culpados




Me deste asa,
No meio da noite escura.
Me abrigaste em sua casa,
Sem promessa ou jura.

Fomos nos deixando,
Acostumando com o que havia.
E o tempo foi passando,
E consolidando a nossa sangria.

E no meio do deserto,
Em que habitávamos.
Um oásis era certo,
Tão certo que lá estávamos.

Enganamos o que havia,
Escondemos de quem passava.
Era nossa a fantasia,
E mais nada importava.

Eu nem sei quem se perdeu,
No meio de tantas histórias ditas.
Se foi você ou fui eu,
Que assumiu a fama da partida.

E cada caminho foi traçado,
Ambos querendo muito voltar.
Não queríamos acabado,
Este sonho que é amar.

Um comentário:

brisonmattos disse...

seu amor foi egoista
Nenhum amor sobrevive assim
vc não deixou pista
que não era pra ter fim