quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Uma Guitarra Flamenca


Reduz-se o ato,
da lucidez do amar.
Na loucura do fato,
não há como negar.

Por mais insano que seja,
é uma busca constante.
É o melhor que se deseja,
para uma vida adiante.

Quando se forma a anarquia,
da total falta de lucidez.
É que se encontram a fantasia,
com a vontade que se fez.

Sem ter onde chegar,
caminhando sem rumo.
Para seguir no meu andar.
na sua força me aprumo.

Mesmo que seja indiferente,
para todos os demais.
Este  amor é atraente,
e me leva sempre atrás.

Quando toca,
uma guitarra flamenca.
Uma explosão provoca,
e tudo então despenca.

Armik despeja sons contagiantes,
Cada um mais belo e atraente.
Meu amor se torna gigante,
E eu o seu servente.

2 comentários:

brisonmattos disse...

nunca vou deixar de te dizer que adoraria dividir meu travesseiro com você.

Um Certo Vestido Azul disse...

Não chora não...
Tá vendo? Já tens com quem dividir seu travesseiro ouvindo os acordes da guitarra flamenca do Armik...
A vida é bela!