quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Noção do tudo






Me coloco como louco
Para esquecer o que não quero
Vou vivendo muito pouco
Já não falo, grito, berro

E ninguém aqui me ouve
Não escuta o que eu falo
Eu nem sei como é que coube
Uma vida em um ralo

Vai sangrando devagar
Escorrendo gota a gota
Até o corpo parar
E sumir a voz da boca

Na loucura vou vivendo
Enganando a quem me vê
Mas aos poucos vou torcendo
Para tudo mundo endoidecer

Ai tudo igual ficaria
Perderíamos a nenhuma noção do nada
E no tudo habitaria
Eu, e a minha amada



Um comentário:

brisonmattos disse...

Viver na loucura até que é bom. Faz as pessoas escreverem coisas bonitas, como essa sua.