segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Agora é tarde




Tenho de vez calar,
Minha paixão verdadeira.
Não dá para levar,
Este amor um vida inteira.

Seu ouvidos estão tampados,
Pela firmeza da segurança.
Minhas palavras são cadeados,
Abertos, sem tranca.

Vou deixar que o vento leve,
Seu destino onde chegar.
Afinal, amor não se deve,
Impor em qualquer lugar.

Meus olhos costurarei,
Para não ver  mais o que sinto.
Meu coração acalmarei,
Mesmo que para ele eu  minto.

Não mais te direi palavras,
Que brotam sem eu sentir.
Sementes que nascem sem lavra,
Também podem florir.

Dançarei ao som que der,
Abraçarei o que sentir.
Sonharei com  o que quiser,
Fingirei que estou a sorrir.

Um dia talvez conheça,
Que a segurança não é segura.
Baterei um tanto a cabeça,
E verei o quanto fui burra.

Ai o tarde será chegado,
Nada mais se pode fazer.
E o amor tão esperado,
Se foi com o entardecer.


Um comentário:

brisonmattos disse...

ah se quer saber...É tarde mesmo. Mas adoro te ler. rs