sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Só o querer




Se fosse só o querer,
Já tinha a muito voltado.
Nem sempre se pode ser,
O tudo que foi sonhado.

Piso devagar,
Nos caminhos desta vida.
Com cuidado vou estar,
Para ganhar um novo dia.

A alma aqui não vive,
Teima em se soltar.
Vai prá lá onde já estive,
E dana de novo a voar.

No espelho que me via,
Há um desenho, esboço.
O canto que seduzia,
Nem de longe eu o ouço.

Busco nos escombros,
Um retrato do que sobrou.
O peso pesa nos ombros,
O fogo a tudo queimou.

Na pálida lembrança,
Só o intenso azul ficou.
Nos passos de uma dança,
Um tango se formou.

E no trágico passo,
O querer ficou.
Este nó eu não desfaço,
Pois foi Deus quem amarrou.

Nenhum comentário: