terça-feira, 11 de novembro de 2014

Renascida





Eu te amo renascida
Mas não é um amor qualquer
É amor de uma vida
Amor de uma só mulher

E não pode ser seguido
Por uma simples razão
Este amor foi proibido
Pela mão da tal razão

Ficamos pelos cantos
Cada qual com seu sofrer
Andando em outros bandos
Sem ao menos poder se ver

Mas nos olhos não sumiram
A vontade incontrolável
E quando todos dormiam
Nos achamos no imaginável

Ali não somos presas
De insensatos predadores
Ali somos pureza
De nosso amor  e das dores

Assim a renascida
Se encontrou com a mais idade
Para viver uma vida
De amor e liberdade


Um comentário:

brisonmattos disse...

liberdade? Só se for a sua insana.