segunda-feira, 17 de novembro de 2014

E assim se foi




 
E assim se foi o tempo,
Enganado como menino.
Soterrado pelo vento,
Nas areias do destino.

Não teve o tempo de viver,
Tudo aquilo que queria.
Só de longe pode ver,
O amor e a fantasia.

Foram poucos estes anos,
Que passaram bem ligeiro.
Derrubando muitos panos,
Que cobriam um braseiro.

Ele achou o que queria,
Depois de tantas aventuras.
Já não mais se enganaria,
Encontrara a sua cura.

E em tão anos poucos,
E algumas madrugadas.
Se perdeu num mundo louco,
Em que não havia estrada.

E chegando neste fim,
Conseguiu o derradeiro.
O amor que havia em mim,
Se tornou um desespero.

E o tempo sem destino,
E sem ninguém mais a olhar.
Transformou um ser menino,
Em um homem  sem lugar.

Nenhum comentário: