terça-feira, 18 de novembro de 2014

Meu algoz





Outra madrugada há de vir,
E novamente a solidão se deita.
Ela vem para me cobrir,
Ela na vida não me deixa.

E na noite longa, no frio,
Com ela me aconchego.
Nem a lua com seu brilho,
Aquece este despejo.

Nos olhos ficou o opaco,
De uma visão perdida.
Me sinto como um fraco,
Que perdeu a sua vida.

Torço pela alvorada,
Que o sol venha aquecer.
O pouco que resta do nada,
Em mais um dia para sofrer.

Não há mais lugar para os versos,
Que tanto me deram esperança.
Deles sobraram os restos,
E uma ponta de aliança.

Logo chega outra noite,
Escondendo consigo a luz.
Levo o corpo para o açoite,
Me cortando com o que seduz.

E meu algoz feroz,
Vem para mim novamente.
Vem calando a doce voz,
Que ecoa em minha mente.

Um comentário:

brisonmattos disse...

A noite foi feita para descansar e dormir. Não consigo ter esses pensamentos todos depois de um dia intenso de energia. Gaste de alguma forma a sua também e relaxa. A vida é ótima na rotina também. Bom dia.