segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Liberdade





Porque me procura?
Depois de tanto tempo.
Precisas de ajuda?
Procuras um alento?

Ninguém te ouve,
Como eu te ouvia.
Ninguém te coube,
Com eu te cabia.

O tempo é ido,
As emoções também.
Embora ferido,
Não sou mais refém.

Com as asas,
crescendo de novo.
Não mais me arrasa,
Perder por tão pouco.

A procura é vã,  estas cordas
não mais me prendem.
Sei que não concordas,
Livrei-me dos teus dentes.

Procura um apoio,
A quem possas enganar.
A água deste arroio,
Não quero mais provar.

Sigo meu caminho,
E você que siga o teu.
Embora siga sozinho,
Vou feliz com o que é meu.

4 comentários:

brisonmattos disse...

aproveita e vai se "foder" literalmente , juntamente com a sua poesia

Older disse...

Nem sempre as pessoas são educadas, tomam para si alguma coisa que é de outrem. Desculpem a má educação de alguns.

mARa disse...

Letras Sentidas Poeta, e assim vamos desenhando nas entrelinhas os sentimentos do mundo, que por vezes são de outros e tão nossos.

Seguir é sempre uma possibilidade de superação, não se pode ficar no ontem, pois tudo o que temos é o agora e amanhã é apenas amanhã saberemos.

Abço! Uma excelente semana!

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu querido amigo

Por vezes mais vale seguir o caminho sós, que com alguém que não nos merece.
Obrigada pela visita, volta sempre.

Um beijinho com carinho
Sonhadora