terça-feira, 21 de agosto de 2012

Caminhada




A toda hora,
me preocupa.
O chegar da aurora,
que tanto me assusta.

Como chuva gotejante,
Vai enchendo todo o ser.
Nem o vento trovejante,
Me deveria querer.

Parto em dia claro,
Logo, logo a noite chega.
Na vida só resvalo,
De tudo aquilo que se achega.

Na mão levo um pouco,
Daquilo que me restou.
Pareço até um louco,
Caminhando como estou.

Me abrigo da chuva forte,
Que cai fria nas costas.
Talvez com um pouco de sorte,
Encontre mais umas respostas.

Tropeço no que eu gosto,
Como se fosse normal.
A vida brinca, aposto,
Como se eu fosse boçal.

Pé ante pé,
Vou seguindo meu caminho.
O que está a ré,
Levou todo meu carinho.

Agora é só seguir,
E buscar quem me adote.
E se do novo cair,
É azar ou falta de sorte.


Nenhum comentário: