segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Agradeça





Não cobres,
Pelo que não podes dar.
E nem pagues,
Pelo que não podes comprar.

Não reclames,
Pelo que não podes fazer.
E nem chores,
Pelo que não podes ter.

Não maldigas,
Pelo que não podes ser.
E não reprimas,
Pelo que não se pode conter.

Não se revolte,
Pelo que a vida te mostrar.
E nem brigues,
Pelo que não se pode levar.

Não queiras,
a vida mudar.
Contente-se,
Com o que ela te dá.

As vezes não se pode ter,
Aquilo que se tanto queria.
Mas só um pouco deste viver,
Sobrou  da rebeldia.

Agradeça,
De todo seu coração.
Antes que o pouco desapareça,
E só te sobre ingratidão.

Um comentário:

mARa disse...

Olá!

Sempre há um novo caminho, ou um velho caminho onde aprendemos a caminhar e desviar das raizes ali expostas e das pedras desse caminho.

Letras carregadas de sentir.

Abço Fraterno! Uma excelente semana!