quinta-feira, 26 de julho de 2012

Escrevo


Escrevo como homenagem,
De quase tudo que vivi.
Em todas as passagens,
No fim, sobrevivi.

Foram dores perdidas,
Amores levados pelo ar.
Pessoas muito queridas,
Que hoje só posso recordar.

As letras no papel colocadas,
São para me lembrar.
Quando a memória já falhar,
E o que vivi quiser recordar.

Perpetuam como pedra,
Gravadas ali para sempre.
Ela nunca se quebra,
Resistem ao incoerente.

Se você se ler nelas,
Não encontre provocação.
Elas são palavras singelas,
Que brotam do coração.

Como homenagem ao que vivemos,
Das nossas dores, dos amores de lá, e de cá.
Com o tempo ainda encontraremos,
Um tempo para recordar.

2 comentários:

mARa disse...

Sim, é isso escrevemos para recordar.
As vezes para esquecer que aquilo muito nos faz Lembrar.

Palavras sentidas Poeta.

Bjão!

Sonhadora disse...

Meu querido amigo

As recordações são tudo o que nos veste, são o que guardamos no mais fundo de nós.
Obrigada pela visita, gostei de te ver lá.

Um beijinho
Sonhadora