domingo, 29 de julho de 2012

De Manhã





Lentamente tento acordar.
O corpo recusa a fazer.
Mas tenho de levantar,
E enfrentar tudo que aparecer.

Indo devagar,
Escorando nas paredes.
Inicio o caminhar,
Mas queria uma rede.

Decerto que haverá,
Em algum canto perdido.
Um modo de levantar,
Sem se sentir ao meio partido.

Forço os olhos abrir,
Tentando na penumbra enxergar.
Os pés querem sentir,
Um chão firme para pisar.

A alma reclama,
Me deixa um pouco sonhar.
O corpo que sai da cama,
Diz para ela acompanhar.

E cada um vai se levando,
Na rotina já demarcada.
A alma segue sonhando,
E o corpo levando pancada.

Um comentário:

Aninha disse...

Acordaaaa meninoooo porque o dia esta lindo lá fora!!!!!Bjs.