quinta-feira, 19 de julho de 2012

A Paisagem





Olho a paisagem,
tão suave e bela.
Até parece miragem
Ou quadro pintado em tela.

Não preciso de mais nada,
Para me satisfazer.
Somente a  paisagem calada,
E a mente a reviver.

Me transporto no tempo,
Para um passado distante.
Aos poucos me aposento,
Do que era radiante.

Nas lágrimas me afogo,
Mergulhando fundo demais.
Quem manda ser devoto,
De um amor fugaz.

Acreditar em promessas,
De um amor eterno.
É assim que começa,
A se fazer um inferno.

A infinita felicidade,
Não está ao lado teu.
Ela mora na saudade,
Ou nos sonhos que se deu.

A paisagem continua bela,
E só se pode ela olhar.
Acessa, como uma vela,
Um dia vai se apagar.

Nenhum comentário: