quarta-feira, 14 de julho de 2010

Poesia (Que não quero)

No dia em que te conheci,
Não mais parei de sorrir.
Comecei a escrever poema,
Juntar palavras tão pequenas,
Que serviam de tema,
para um dizer maior.
No dia em que te conheci.

No dia em que te perdi
Não parei mais de chorar,
Nas palavras não encontrava mais encantar.
Tentei a elas juntar, novas rimas criar,
Mas não nascia ali
um novo declamar.
No dia em que te perdi.

No dia em que me perdi
Nunca mais quero lembrar.
Ou viver, quero esquecer.
Foi-se todo meu viver
Foi-se todo meu sonhar
Foi-se a alegria que havia em cantar.
No dia em que me perdi.

No dia em que me encontrar,
Não me olhe nos olhos.
Não me venha falar.
Me deixe onde estiver,
Deitado ou de pé,
A sorrir ou a soluçar.
No dia em que me encontrar.

Haverá de chegar um dia
Em que poderemos conversar.
Talvez estaremos libertos
das correntes da paixão.
Talvez não vivamos mais eternos
Enamorados da ilusão.
Viveremos fraternos,
Como irmãos.

Lamentaremos, talvez,
O desperdício de amor
Era tanto, era tanto,
Que causou muita dor.
Não estávamos pronto
para deste amor viver.
Arrumamos no peito
Mais um jeito de sofrer.

5 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

Oi Older
Acho meio complicado quem amou, conviver só como amigos, mas não é impossível. Vale a pena tentar.
Abração

brisonmattos disse...

Lendo esse seu lindo lamento poético, me lembrei que sonhei. Foi hoje...e talvez por isso lembre dele.Eu descia a avenida do shopping Center Vale a pé...do meu lado descia um carro muito vagarosamente, olhei para o lado e não era um carro novo, havia alguem dirigindo, e do lado, uma senhora de olhar distinto. Rosto magro, feição tristonha. A olhei, ela me olhou e não sei o que me deu, saltei pra porta do carro e com as duas mãos segurei o rosto dela, olhei-a nos olhos e a beijei...muitas vezes e no rosto todo. Ela permitiu. Senti que era isso mesmo que ela queria e não tive medo. Do nada o sono apagou e eu fiquei sem saber o que pensar. Acordei chateada. Hoje não foi um dia normal...mas desejo que o seu, o seja. Felicidades.

Sonhadora disse...

Meu querido
Lindo poema, cheio de sentimentos vividos, adorei ler.

beijinhos com carinho
Sonhadora

Cris disse...

Queria dizer uma coisa bem simples e acho que vc vai entender de cara....rs

Bem querer e muito mais que paixão e amor carnal em muitas vezes. O bem querer não morre, não termina e pode ser cura para as dores de uma paixão vivida e transformada nesse sentimento de acolhimento.

beijo grande....

Majoli disse...

Nossa que triste seu poema meu amigo.
Penso como o Wanderley, acho meio difícil ser amigo de quem a gente amou, mas vale a tentativa.

Beijos com carinho.