sexta-feira, 23 de julho de 2010

Medo

Sempre pensei em algo
Que não chegou a acontecer.
O medo é um arauto
Que me fez envelhecer.

Parei de pensar bobagens
De coisas que nem conhecia.
Tentei uma nova abordagem
Da vida que vivia.

Perdi o medo de amar.
Perdi o medo de sofrer.
Tentei um caminho achar,
Sem o medo de me perder.

Com o tempo eu percebi,
Coisas que eu nunca enxerguei.
Com o olhar entendi
Tanto tempo que eu deixei.

Agora mais calejado,
Com rugas no corpo todo,
Me sinto mais invejado
Das pessoas do entorno.

Nem aí estou,
Todos eles que se danem.
Esqueçam o que passou,
Vivam a vida que amem.

Vou andando agora,
Não a posso mais esperar.
Tem um mundo novo lá fora
Que eu tenho de explorar.

Nenhum comentário: