domingo, 7 de março de 2010

A Lua e Eu

Eu tenho pena, coitadinha, da lua,
sozinha, a todos encantar.
Deixe seu brilho na rua,
e por onde ela passar.

Dela todos se encantam,
mas delas não podem levar,
só resta seu brilho colher,
na sutileza de meu olhar.

E na beleza da lua,
me ponho escondido a chorar,
lágrimas ocultas brotadas
da saudade tua a maltratar.

Este coração
que não se cansa de bater.
Bate entristecido,
por não poder a ti ver.

Bate entusiasmado,
na esperança de outra vez te ouvir.
Bate descompassado,
Na esperança de outra vez de sentir.

E assim como no céu está a lua
Meu coração segue a te seguir.
Encantando em ter a presença tua,
Em meu peito, posso te sentir.

Um comentário:

Elcio Tuiribepi disse...

Um poema feito de saudades e preocupações com a Lua...que com certeza fica a te olhar lá de cima...
Que a distancia se encurte...que ela te chegue o mais breve possível...
Um abraço na alma...bom fim de domingo