terça-feira, 16 de setembro de 2014

Tempos atrás


Tomava banho de rio pelado,
Colhia no pé, fruta madura.
Corria feito danado,
Era inocência pura.

Brincava de se esconder,
Com uns amigos do peito.
Farreava até anoitecer,
Depois, não tinha mais jeito.

Comia pipoca com queijo,
E ficava todo lambuzado.
Roubava de repente um beijo,
Em um breve sinal fechado.

Comia aipim no Cristina,
Subia e descia uma rua.
Tomava café na esquina,
Era uma eterna aventura.

Os tempos foram passando,
E as lembranças ficaram.
E eu só fico pensando,
Que nada nas vidas mudaram.




Um comentário:

brisonmattos disse...

muitas coisas mudaram mas a essência do poeta não. Essa ainda viaja nesse universo de antigamente buscando as traquinagens para viver melhor o presente.