segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Invasão




Quem invade meu peito?
Cm monte de coisas trazendo.
Vem entrando com jeito,
arrumando ou desfazendo.

Traz uma alegria imensa,
e também muito amor.
Pensamento de quem não pensa,
vai varrendo a minha dor.

Cala  gritos perdidos,
liberta coração aflito.
Nem sei bem o que é isto,
sei que é algo bendito.

Vou beber dos seus delírios,
e deitar em seus encantos.
Vai que este mundo de fascínio,
se acaba em um só pranto.

Vou tirar da boca mordaça,
e voar como sempre voei.
Vou  para o braço que abraça,
e para a boca que eu beijei.

Se vai ser breve a história,
não cabe a mim esperar.
Só vai ficar na memória,
como mais uma a sonhar.




Um comentário:

brisonmattos disse...

se a porta estiver fechada, pula a janela e vem. Não faz como se tudo tivesse acabado. Está nada.