terça-feira, 9 de setembro de 2014

Encontros e perdas


  
Me encontrei,
E me perdi.
Entre as rosas que plantei,
E as rosas que nunca colhi,

As palavras inquietas,
Tentam me mostrar.
De maneira indireta,
O que não devo largar.

Um aroma invade a alma,
Suave com a brisa noturna.
Vem trazendo um mar de calma,
Para amansar a noite soturna.

E ao desejo secreto,
Me entrego mansamente.
Tão certo, tão certo,
Como elo de corrente.

Enredado em brumas,
Do sonho que não desfaz.
Flutuo entre plumas,
De nossos leitos conjugais.

2 comentários:

brisonmattos disse...

Eu sei que vou viver a espera de viver ao lado teu, por toda a minha vida

brisonmattos disse...

vai poeta, e derrama toda a sua poesia pra quem realmente quem sabe um dia, reconheça seu valor.porque eu vc sabe, nem gosto de ler.