quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Dispo-me






Dispo-me dos encantos,
que me encantam na solidão.
espalho pelos quatro cantos,
um pouco de sim, um pouco de não.

Das falas tão cansativas,
Que não levam a algum lugar.
Das minhas mentiras cativas,
Que teimava em aprisionar.

Na companhia dos versos,
Enganava todo meu ser.
Era o maior dos tolo, confesso,
Mas não o deixei de ser.

Moldo lágrimas em alegrias,
Escondendo o que não posso.
Vou fazendo fantasias,
De tudo em que me sufoco.

Todo dia descubro,
O que é virar do avesso.
E cada vez mais me culpo,
De não ter o recomeço.

Dispo-me de mim,
E toda amargura.
Visto-me de cetim,
Para presentear a alma tua.


Nenhum comentário: