segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Descoberta





Em um canto da memória,
Um dia te deixei.
Como parte da história,
Que um dia eu criei.

De paixões escondidas,
De amor reprimido.
De viver em partidas,
De viver dividido.

E ali você ficou,
Aguardando novo tempo.
Um tempo que não chegou,
O tempo foi desatento.

O amor  foi crescendo,
Mesmo a sua revelia.
E eu não percebendo,
O quanto ele crescia.

Um dia ele aflorou,
Com enormidade sem igual.
A tudo ele abafou,
Como um ser passional.

O que faço  agora,
Para tratar deste assunto.
Seu tamanho me apavora,
Virei só seu adjunto.

Passo horas a pensar,
E não sei como resolver.
Deixo este amor me tomar,
Ou deixo de sobreviver.


Nenhum comentário: