sábado, 17 de agosto de 2013

Desespero





Um grito de desespero,
Ecoa no quarto a noite.
Era  muito exagero,
Era sonho com açoite.

A carne que foi cortada,
Já não sangra como antes.
A ferida foi atada,
Com um fio de barbante.

Na escuridão que reina,
Quase nada dá para ver.
Como um amor que teima,
Em querer aparecer.

Atrás do lancinante açoite,
Está a mão que beija.
Já eram meia-noite,
E a dor não me deixa.

Procuro no álcool a fuga,
Para o corpo entorpecer.
Logo a taça enxuga,
E me faz adormecer.

Esperando um novo dia,
Que raiará com certeza.
Um novo sonho, fantasia,
Que me deixará na tristeza.



 

Nenhum comentário: